jul 6, 2015
admin

Grande imprensa: Oportunismo e vocação para o golpe

Por Felipe Bianchi (texto e fotos)

Imprensa alternativa, censura, tortura… Foram muitos os temas abordados no debate sobre mídia, golpe e ditadura, realizado no Centro de Estudos da Mídia Alternativa Barão de Itararé, em São Paulo, na sexta-feira (3). O depoimento comovente de Hildegard Angel, porém, roubou a cena. Filha de Zuzu Angel e irmã de Stuart Angel, ambos assassinados pelos militares nos anos de chumbo, ela se emocionou e foi aplaudida de pé ao relatar sua experiência e criticar, de forma veemente, a imprensa brasileira.

fotohilde

“Essa é a história do oportunismo da imprensa brasileira”, disparou. “Do oportunismo dos intelectuais brasileiros, daqueles que se situam e formam suas panelinhas para manter seus cachês valorizados. Agora, não valoriza cachê ser de esquerda, o cachê fica baixo. Valoriza o cachê falar mal das causas sociais, dos progressos e das conquistas sociais”.

Hilde, como é chamada, traçou ainda um paralelo entre o momento presente e a década de 1950, quando Getúlio Vargas sofria implacável oposição por parte da imprensa e o jornal Última Hora, comandado pelo jornalista Samuel Weiner, constituía um verdadeiro oásis de simpatia ao governo. “O que ilustra bem os momentos ditatoriais, de como deformam e revelam as pessoas, é que uma das mágoas de Weiner foi a rejeição e maus tratos que sofreu por parte de companheiros de profissão”, conta. “Me disse ele que quando foi se exilar em uma embaixada, o jornalista Ibrahim Sued escrevia o condenando ao paredão. E ele questionava: ‘Como você, grande amigo meu, querido e recebido em casa, tão elogioso a mim, fez tanta pressão pela minha prisão e execução?’. E a resposta de Ibrahim foi que ‘balão quando tá caindo, a gente tasca’. É assim que eu sinto, hoje, o governo de Dilma Rousseff”.

Sobre a crescente onda conversadora que assola o Brasil, Hilde demonstrou preocupação. “O Judiciário atropela a Justiça, o Legislativo atropela o regimento… Estamos em uma catacumba”, definiu. “Acho que estamos sendo ingênuos, pois o que se passa é um verdadeiro Estado de exceção. O presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha, não ceder a palavra a um opositor por discordar do que ele irá dizer é um ato ditatorial”, opinou, acrescentando que “algo muito estranho acontece no país”.

Sequestro à democracia ontem e hoje

A atividade marcou também o lançamento de dois livros: Golpe de Estado (Geração Editorial), de Palmério Dória e Mylton Severiano, e Lamarca – O Capitão da Guerrilha (Global Editora), de Emiliano José. Palmério Dória, um dos debatedores da noite, fez uma retrospectiva de sua trajetória na imprensa alternativa escancarando como os corajosos repórteres driblavam a censura e enfrentavam a mordaça imposta à botas, fuzis e capacetes. “Tínhamos um princípio inabalável, que era o de nunca nos sujeitarmos à censura. O livro Golpe de Estado é isso aí, continuar contando essa história para entendermos como tudo o que ocorreu em 1964 desemboca nisso que estamos vivendo hoje”, declarou. “Fica fácil entender a existência, por exemplo, de um Eduardo Cunha”.

Segundo ele, há uma ideia fundamental que abre esse ‘vácuo’ onde nascem golpistas em potencial: “nos sequestraram a consciência democrática”. Crítico à inércia dos governos Lula e Dilma Rousseff em relação à regulação e democratização da mídia, Dória acredita que a célebre frase de Millör Fernandes – “Jornalismo é oposição, o resto é armazém de secos e molhados” – perdeu o sentido. “Existe um golpe em marcha, com a complacência dos meios de comunicação, e não podemos ser apanhados no contrapé, como fomos outrora. A única saída é ir pra rua”.

Apesar do diagnóstico alarmante, o icônico repórter declarou enxergar, nas mídias alternativas, uma forma de combate à ignorância e ao senso comum apregoado pela grande imprensa. “Há algumas iniciativas muito boas, como os Jornalistas Livres. A rapazeada está mandando brasa, mesmo com o governo imóvel”, disse. “Informação fundamental, hoje, tiro dessas mídias na Internet. A imprensa alternativa vai bem, obrigado. Mas mudou de plataforma”.

Mídia e a ‘vocação golpista’

Celebrando o lançamento da 17ª edição de sua obra sobre um dos principais líderes da oposição armada à ditadura militar, Emiliano José destacou que houve, sim, terrorismo no Brasil, mas de direita, e não de esquerda. “A ditadura prendeu, desapareceu com pessoas, matou, torturou velhos e crianças. Fez tudo isso e nós vemos, lamentavelmente, gente com estômago para pedir a sua volta”.

Para o Secretário de Serviços de Comunicação Eletrônica do Ministério das Comunicações, que passou quatro anos de sua vida encarcerado pelos militares, é imprescindível cultivar a memória do papel da imprensa à época para entender e refletir sobre a sua atuação nos dias de hoje. “A Folha de S. Paulo, por exemplo, foi cúmplice direta da ditadura. Foi a sucursal do DOI-CODI”, acusou. “Falava-se que a Folha da Tarde era o ‘jornal de maior tiragem’, de tantos tiras que frequentavam a redação”.

Apesar de não entrar nos meandros do tema, ele utilizou a cobertura tendenciosa sobre a Operação Lava-Jato como exemplo do servilismo da imprensa a interesses escusos. “Só sai na mídia o que criminaliza o PT, o governo e Lula. Nada mais”, protestou. “Valores, pessoas e tudo o que está envolvido, em sua grande maioria, não é petista, mas não importa que Aécio Neves (PSDB) tenha recebido mais que todos. Ele está blindado”.

A mídia tem verdadeira ‘vocação golpista’, segundo Emiliano José. “É a vanguarda do golpe na história brasileira”, decretou. “Quem conduziu toda a operação que culmina no golpe de 1964 foi a mídia. Historicamente, é ela quem prepara golpes. 1954, por exemplo. O golpe pronto contra Getúlio Vargas foi adiado em 10 anos pelo ‘descortino histórico’ do então presidente, que se suicida com a mais absoluta certeza de estar suspendendo um golpe. Última Hora, de fato, era o único jornal simpático ao governo e ao trabalhador. O resto era a mesma coisa de hoje”

Para se fazer jornalismo investigativo, praticamente nulo no país, não depende só de financiamento, conforme argumenta, “mas de disposição para fazê-lo”. Hoje, avalia, só existe a fonte que entrega seletivamente aquilo que lhe interessa.

Fonte: Barão de Itararé

jul 1, 2015
admin

Mídia, GOLPE E DITADURA: ONTEM E HOJE

Na sexta-feira (3), a partir das 19h, o Centro de Estudos da Mídia Alternativa Barão de Itararé reúne um time de peso para debater Mídia, golpe e ditadura: ontem e hoje: Emiliano José (Secretário de Serviços de Comunicação Eletrônica do Ministério das Comunicações) e os jornalistas e escritores Palmério Dória, Hildegard Angel e Fernando Morais discutirão o papel da mídia desde a queda de João Goulart e os anos de chumbo até a oposição sistemática dos meios de comunicação ao processo de transformação que o país atravessa nos últimos anos.

Além do bate-papo, acontecerá uma ‘cachaçada’ para celebrar o lançamento dos livros Golpe de Estado  (Geração Editorial), escrito por Palmério Dória e Mylton Severiano, e Lamarca – O capitão da guerrilha (Global Ed.), de Emiliano José.

Debate 03.07.15

SERVIÇO

Data: 3/7/2015
Horário: 19h
Local: Rua Rego Freitas, 454, conjunto 83 – Próximo à estação República do Metrô
Mais informações: contato@baraodeitarare.org.br / 11 3159-1585

*A entrada é franca. Para participar, basta inscrever-se através do formulário aqui.

Fonte: Barão de Itararé

jun 26, 2015
admin

Leia para sair da bolha

Por Danilo Venticinque

Às vezes é preciso resistir à vontade de só ler o que nos agrada

tumblr_l17h6w9xsx1qbpjxio1_500

Nas últimas semanas, escrevi aqui sobre a importância de ter disciplina para manter uma boa rotina de leitura. Nossos dias estão lotados de distrações. Leitores pouco cautelosos correm o risco de ceder à tentação de tentar acompanhar, em tempo real, todas as polêmicas do dia na internet. Acabam lendo muito, mas aprendendo pouco. Em tempos de excesso de informação, quem não tem um plano para organizar suas leituras será inevitavelmente soterrado por elas.

É preciso tomar cuidado, porém, para não cair em outra armadilha: a de evitar todos os textos que não nos agradam. Em excesso, a disciplina na leitura corre o risco de virar alienação.

Esse mal acomete fãs de livros com muita frequência. Por mais que se orgulhem de ler “de tudo – até bula de remédio”, na prática há muitos leitores que resistem a mudar seus hábitos. Conheço muitos leitores de não-ficção que não têm paciência para a ficção, e vice-versa. Alguns só leem alta literatura e torcem o nariz para os best-sellers sem piedade. Outros se prendem a um gênero, como a literatura fantástica ou policial, e jamais dão uma chance a outros temas. Há até quem só dê atenção para os clássicos e acham absurda a ideia de perder tempo com a literatura contemporânea.

Para leituras na internet, fugir da monotonia é ainda mais difícil. As redes sociais e sites de busca são feitos para mostrar aquilo que queremos ler. Quanto mais demonstramos atenção por um autor ou um assunto, maior a chance de depararmos com eles no futuro. Textos que ignoramos ou rejeitamos aparecem com menos frequência. No Facebook, muitas vezes aceleramos o processo ao “limpar” a timeline e remover  pessoas ou páginas com quem discordamos em assuntos polêmicos. O americano Eli Pariser faz um alerta contra esse hábito. O risco é ficar preso numa bolha em que nada ataca nossas convicções e não descobrimos nada novo.

Não há mal nenhum em não saber tudo sobre o último escândalo político, participar de todos os bate-bocas no Facebook ou acompanhar em tempo real o cotidiano das celebridades. Os livros que mais gostamos de ler são prioridade. A leitura, antes de tudo, deve ser um prazer. Mas, por menor que seja a vontade de ler textos idiotas, clicar em notícias que não nos interessamou comprar um livro muito diferente do que costumamos ler, vez ou outra é importante se aventurar em territórios desconhecidos. Quando sentir que suas leituras estão se tornando monótonas, tente dar uma chance a um texto que você jamais leria.

O exercício exige paciência. Quem só está acostumado a ler clássicos, por exemplo, pode levar algum tempo para se acostumar com um best-seller contemporâneo. Por mais que o impulso inicial seja largar o livro, resista. Tente se acostumar com o desconhecido. Talvez você se surpreenda e descubra novas paixões. A leitura serve para nos tirar da bolha. Quem não desafia a própria ignorância é incapaz de aprender.

Fonte: Revista Época

Páginas:1234567...347»

CADASTRE-SE EM NOSSA NEWSLETTER


NOSSOS CONTATOS

Geração Editorial
Rua Gomes Freire, 225
Lapa - São Paulo – SP
05075-010
Telefone: (11) 3256-4444
geracaoeditorial@geracaoeditorial.com.br