out 13, 2015
admin

Nada de flores

Biografia defende que Geraldo Vandré não foi torturado pela ditadura militar e derruba o mito da loucura provocada pela violência dos anos de chumbo

O paraibano Geraldo Pedrosa de Araújo Dias queria ser aviador. Filho de pai médico e mãe pianista, acabou seguindo a carreira musical – primeiro como dublê de músico, depois como entusiasta da Bossa Nova e finalmente como Geraldo Vandré, autor de “Pra Não Dizer que não Falei das Flores”, hino da resistência contra a repressão da ditadura militar no Brasil. Uma nova biografia – não autorizada – conta que muito da jornada heróica que se atribui ao compositor a partir da apresentação da canção lendária no Festival Internacional da Canção de 1968 brotou das mentes e corações do público e não da história.

mi_2015203194053871

O jornalista Jorge Fernando dos Santos, autor do livro que sai pela Geração Editorial, desistiu de entrevistar o cantor e de fato não encontrou nada de inédito sobre Vandré. Mas reuniu metodicamente cada uma das raras entrevistas, os VTs de shows e depoimentos que sobraram (muitos desapareceram ou foram encontrados avariados nos arquivos da Rede Globo durante os anos de chumbo) e falou com várias pessoas que cercaram o artista em sua controversa e reclusa carreira. O biógrafo concluiu que não, Vandré não foi torturado pelos militares, ao contrário do que muitos acreditam. Que seus traços de desequilíbrio estão mais ligados a um egocentrismo exacerbado que só piorou com a idade do que a algum trauma relacionado à violência. E que a escolha pelo exílio no Chile se deveu mais a uma paranóia excessiva do que a um real risco de morte, embora tenha sim, sido perseguido pelos militares enquanto esteve no País – antes e depois do desterro.

mi_2015188172824703

“Geraldo Vandré nunca foi antimilitarista. Recusou que sua música fosse usada como propaganda ou panfleto político”, afirma o biógrafo. Não era o que as 30 mil pessoas apinhadas no Maracãnazinho naquele 28 de setembro entenderam quando o artista convocou com o refrão “Vem, vamos embora/que esperar não é saber”. A música acabou considerada vencedora moral da edição do festival. A ganhadora real, “Sabiá”, de Chico Buarque e Tom Jobim, recebeu uma vaia histórica por ser escolhida no lugar da canção que estaria falando por todo brasileiro oprimido, mesmo que depois seu autor negasse – em todas as vezes que pôde – ter tido a intenção de protestar.

“Como ele se afastou do cenário artístico e nunca mais quis gravar suas músicas, tornando-se cada vez mais esquivo e misterioso, criou-se o mito do homem torturado, do herói das esquerdas, o que ele nunca foi de verdade”, entende o autor do livro. Vandré, que pede hoje para ser chamado pelo nome de nascimento, não passou no exame psicotécnico, quando nos anos 1980 tentou tirar o brevê, o certificado que permite pilotar aviões. “Pra Não Dizer Que Não Falei das Flores” foi regravada por dezenas de intérpretes no Brasil e fora dele. Quando se completaram 50 anos do golpe que levou à ditadura militar, Joan Baéz emprestou a voz à canção, em São Paulo. A música também foi tocada em automóveis durante os protestos de 12 de abril deste ano pedindo a saída da presidente Dilma Roussef. Por mais que seu autor não queira, o hino continua servindo a muitos amos. 

Fonte: IstoÉ Independente

Leave a comment

CADASTRE-SE EM NOSSA NEWSLETTER


NOSSOS CONTATOS

Geração Editorial
Rua João Pereira, 81
Lapa - São Paulo – SP
05074-070
Telefone: +55 (11) 3256-4444
geracaoeditorial@geracaoeditorial.com.br