ADHEMAR
A fantástica história de um político populista desbocado, amado e odiado, inspirador do infame lema “rouba, mas faz”, que participou do golpe militar de 1964, foi posto de lado pelos generais e morreu exilado em Paris, depois de marcar sua época e história do Brasil.

DEUSES DO OLIMPO
Explore o universo mágico da Grécia Antiga e conheça as histórias dos personagens mais famosos da mitologia. Um livro para gente pequena e gente grande tambécm! ( + )

OS VENCEDORES
Quem ganhou, perdeu. Quem perdeu, ganhou. Cinquenta anos após o advento da ditadura de 1964, é assim que se resume a ópera daqueles anos de chumbo, sangue e lágrimas. Por ironia, os vitoriosos de ontem habitam os subúrbios da História, enquanto os derrotados de então são os vencedores de agora. ( + )

A VILA QUE DESCOBRIU O BRASIL
Um convite a conhecer mais de quatro séculos de história de Santana de Parnaíba, um município que tem muito mais a mostrar ao país. Dos personagens folclóricos, tapetes de Corpus Christi, das igrejas e mosteiros, da encenação ao ar livre da “Paixão de Cristo”. Permita que Ricardo Viveiros te conduza ao berço da nossa brasilidade. ( + )

O BRASIL PRIVATIZADO
Aloysio Biondi, um dos mais importantes jornalistas de economia que o país já teve, procurou e descobriu as muitas caixas-pretas das privatizações. E, para nosso espanto e horror, abriu uma a uma, escancarando o tamanho do esbulho que a nação sofreu. ( + )

CENTELHA
Em “Centelha”, continuação da série “Em busca de um novo mundo”, Seth vai precisar ter muita coragem não só para escapar da prisão, mas para investigar e descobrir quem é esse novo inimigo que deixa um rastro de sangue por onde passa. A saga nas estrelas continua, com muita ação de tirar o folego! ( + )

MALUCA POR VOCÊ
Famosa na cidade pelos excessos do passado, Lily terá de resistir ao charme de um policial saradão oito anos mais jovem que acaba de chegar na cidade. Prepare-se para mais um romance apimentado e divertidíssimo escrito por Rachel Gibson.. ( + )

NOS IDOS DE MARÇO
A ditadura militar na voz de 18 autores brasileiros em antologia organizada por Luiz Ruffato. Um retrato precioso daqueles dias, que ainda lançam seus raios sombrios sobre os dias atuais. ( + )





Browsing articles tagged with "Arquivos holocausto brasileiro - Geração Editorial"
jul 12, 2018
admin

Livros imprescindíveis que deram origem a adaptações cinematográficas

Por séculos o cinema e a literatura vem flertando um com o outro. Duas linguagens que se entendem e que, muitas vezes, se complementam, gerando incríveis adaptações das páginas impressas para as telonas. Mas se você é do tipo de pessoa que ama uma leitura, sabe que é aquela história, né… o livro é (quase) sempre melhor do que o filme.

Um não exclui o outro, é possível apreciar ambos. Mas para dar aquele gostinho de entendimento da diferença entre o livro e o filme, fizemos uma seleção de seis obras imperdíveis que deram origem a documentários, animações e longas aclamados por Hollywood e pelo circuito de cinema alternativo.
Seis obras consagradas que você precisa ler e ter na estante. Confira abaixo.

1 – A Escolha de Sofia (William Styron)

Começamos nossa lista com um clássico do escritor William Styron. Com três milhões de exemplares vendidos, 47 semanas nas listas de best-sellers do Times e vencedor do National Book Award de 1980, A Escolha de Sofia narra a história de uma sobrevivente dos campos de concentração nazista. Sofia tenta recomeçar sua vida pós horrendos acontecimentos do Holocausto, porém, atormentada por dilemas e fantasmas do passado, a protagonista não sabe ser possível encontrar a felicidade perante a corrosão que a culpa lhe impõe por conta do passado.

Uma narrativa tocante e de tirar o fôlego. O livro, com roteiro, produção e direção de Alan J. Pakula, foi adaptado para o cinema em 1982, e rendeu o Oscar de melhor atriz para a incrível e talentosa Meryl Streep, além de diversos outros prêmios no circuito cinematográfico.

A Escolha de Sofia – Trailer legendado

 

2 – A Arte da Guerra (Sun Tzu)

O maior tratado de guerra de todos os tempos.  A Arte da Guerra é sem dúvida a Bíblia da estratégia, sendo hoje utilizada amplamente no mundo dos negócios, conquistando pessoas e mercados. Um tratado militar de treze capítulos escrito no século IV a.C, por um estrategista conhecido como Sun Tzu, é ainda um dos maiores ícones da estratégia dos últimos 2500 anos.

Acredita-se que o livro tenha sido utilizado por nomes como Napoleão Bonaparte e Mao Tse Tung. Em 2015 o livro ganhou uma adaptação de documentário no History Channel.

Sun Tzu: A Arte da Guerra – Documentário History Channel Brasil


3 – Holocausto Brasileiro (Daniela Arbex)

Durante décadas, milhares de pacientes foram internados à força, sem diagnóstico de doença mental, num enorme hospício na cidade de Barbacena, em Minas Gerais. Ali foram torturados, violentados e mortos sem que ninguém se importasse com seu destino. Eram apenas epilépticos, alcoólatras, homossexuais, prostitutas, meninas grávidas pelos patrões, mulheres confinadas pelos maridos, moças que haviam perdido a virgindade antes do casamento.

Ninguém ouvia seus gritos. Jornalistas famosos, nos anos 60 e 70, fizeram reportagens denunciando os maus tratos. Nenhum deles — como faz agora Daniela Arbex — conseguiu contar a história completa. O que se praticou no Hospício de Barbacena foi um genocídio, com 60 mil mortes. Um holocausto praticado pelo Estado, com a conivência de médicos, funcionários e da população. Leitura necessária que deu origem a um documentário produzido pelo History Channel em 2017.

Hospital Colônia de Barbacena: “O Holocausto Brasileiro” – Documentário History Channel Brasil


4 – Menina de Ouro (F. X. Toole)

Com traduções dos escritores Rubem Fonseca, Carlos Heitor Cony, Moacyr Scliar, Marçal Aquino, Luiz Fernando Emediato e Sérgio Dávila, Menina de Ouro traz as seis histórias sobre o mundo do boxe nas quais o cineaste Clint Eastwood se inspirou para o filme que ganhou quase todos os Oscars de 2005. Seu autor, Jerry Boyd, que publicou o livro já aos 70 anos, com o pseudônimo de F. X. Toole, era um velho treinador de Los Angeles que deu vida, de forma dura e amarga, aos personagens que gravitam em torno do mundo e do submundo das luta: boxeadores, treinadores, apostadores, vagabundos, mafiosos.

Jerry Boyd morreu em 2004, dois anos depois da publicação do livro e um ano antes da estréia do filme, sem conhecer a glória – como treinador ou escritor. Só se transformou mesmo em sucesso depois do filme. Ele passara quarenta anos escrevendo e sendo rejeitado pelas editoras. As histórias de seus personagens densos, dramáticos, são tão tristes quanto as da própria vida do autor. Enquanto filmavam Menina de Ouro,– preocupava-se apenas com duas coisas: receber o dinheiro da venda dos direitos, porque já estava velho, e garantir que os produtores não mudassem o trágico final da história.

As histórias do mundo do boxe e seus dramáticos personagens que vivem acertando contas com a dor das pancadas, o risco de morrer, a exploração dos empresários, os duros golpes do destino, como o desemprego, a marginalidade e a fome foram, em Menina de Ouro, traduzidas por mestres da literatura brasileira. Cada um – sem ferir o seco estilo narrativo de Toole – reconstruiu suas frases, em português, para obter, numa prosa de qualidade, a obra deste imprevisto e surpreendente autor.

Menina de Ouro – Trailer legendado

 

5 – Morango e chocolate (Senel Paz)

David, jovem revolucionário, conhece Diego, homossexual assumido, patriota e nacionalista. Surge então o dilema: o dever “patriótico” da denúncia ou a aceitação de uma amizade inesperada, que vai abrindo os olhos dos dois para outras concepções de vida e outros valores humanos, como o direito de ser plural e de manifestar -se livremente.

A história, que transcorre numa Havana histórica e bela, é um canto à amizade e à tolerância, humanamente calorosa e cheia de espírito. Nesta e nas outras três histórias deste livro comovente, Senel Paz pega o leitor pelo coração, com seus personagens ora cômicos, ora líricos, daqueles que marcam para sempre as nossas vidas. Morango e chocolate ficou famoso na década de 90, quando transformou -se em filme de sucesso mundial, indicado para o Oscar.

Morango e Chocolate – Trailer

6 – O Pequeno Príncipe (Antoine de Saint-Exupéry)

Fechamos a lista com essa pérola, escrita pelo francês Antoine Saint-Exupéry,  de leitura obrigatória para todas as idades. A história gira em torno de um piloto que cai com seu avião no deserto e ali encontra uma criança loura e frágil que diz ter vindo de um pequeno planeta distante. E ali, na convivência com o piloto perdido, os dois repensam os seus valores e encontram o sentido da vida.

O Pequeno Príncipe é o livro de cabeceira de muitas crianças, daquelas histórias que passam de pais para filhos e que são lidas para as crianças antes da hora de dormir.
Indubitavelmente um dos maiores clássicos da literatura infanto-juvenil. Não há adulto que não se comova ao se lembrar de quando o leu quando criança. Trata-se da maior obra existencialista do século XX, segundo Martin Heidegger.

Livro mais traduzido da história, depois do Alcorão e da Bíblia. Nesta edição especial, com a tradução de Frei Betto, é enriquecida com um caderno ilustrado sobre a obra e a curta e trágica vida do autor. O livro ganhou diversas adaptações durante os anos, sendo a mais recente uma belíssima animação produzida em 2015 pela Paris Filmes com direção de Mark Osborne.

O Pequeno Príncipe – Trailer legendado

Boa leitura!

maio 31, 2017
admin

Prefeitura de São Paulo pode criar o novo Holocausto Brasileiro

Infelizmente a história pode se repetir. Uma triste história por sinal. A internação compulsória das pessoas dependentes químicas que vivem nas ruas do centro da cidade de São Paulo, proposta pelo prefeito de São Paulo, João Dória, por meio de uma liminar do Tribunal de Justiça de São Paulo, vai contra todas as normas e diretrizes da Lei 10216/2001, (mais conhecido como Lei Antimaniconial), chancelada pelo ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, do seu próprio partido, o PSDB.

A mando de Dória, estamos vendo cenas fortes e lamentáveis, como prédios sendo demolido com pessoas dentro, o discurso que o melhor tratamento é a internação, além de bravatas de que a Cracolândia acabou.

A Geração Editorial publicou em 2013, o best-seller e premiado livro-reportagem Holocausto Brasileiro, com mais de 100 mil exemplares vendidos, da jornalista e escritora Daniela Arbex, essa obra mostra um dos efeitos das internações à força.

O resultado foram mais de 60 mil mortes durante décadas, no Hospício de Barbacena, para muitos um genocídio. Uma boa notícia foi que o Tribunal de Justiça de São Paulo caçou essa liminar, digamos ultrapassada. O desembargador Reinaldo Miluzzi em seu despacho confirmou a solicitação da Promotoria de que “o pedido da Prefeitura é impreciso, vago e amplo e, portanto, contrasta com os princípios basilares do Estado Democrático de Direito” ao permitir à administração do município “carta branca” para escolher quem deveria ser apreendido.

Para Daniela Arbex, a decisão da administração Dória é quando a força se sobrepõe ao cuidado e a vontade individual, o resultado é sempre desastroso.

  

holocausto_brasileiro_capanova

 

 

 

 

 

 

 

 

Sinopse:
Durante décadas, milhares de pacientes foram internados à força, sem diagnóstico de doença mental, num enorme hospício na cidade de Barbacena, em Minas Gerais. Ali foram torturados, violentados e mortos sem que ninguém se importasse com seu destino. Eram apenas epilépticos, alcoólatras, homossexuais, prostitutas, meninas grávidas pelos patrões, mulheres confinadas pelos maridos, moças que haviam perdido a virgindade antes do casamento.

Ninguém ouvia seus gritos. Jornalistas famosos, nos anos 60 e 70, fizeram reportagens denunciando os maus tratos. Nenhum deles — como faz agora Daniela Arbex — conseguiu contar a história completa. O que se praticou no Hospício de Barbacena foi um genocídio, com 60 mil mortes. Um holocausto praticado pelo Estado, com a conivência de médicos, funcionários e da população.

Holocausto brasileiro

maio 15, 2014
admin

Daniela Arbex participa do projeto “O autor da praça”

1369161299_o_autor_na_praca__logo__jpeg_39k

Daniela Arbex, autora de “Holocausto brasileiro” participa de O AUTOR NA PRAÇA

O AUTOR NA PRAÇA completa 15 anos e convida a jornalista Daniela Arbex para tarde de autógrafos do livro “Holocausto brasileiro”, vencedor do Prêmio APCA de melhor livro-reportagem de 2013.

Será no próximo sábado, dia 17 de maio, às 15h no Espaço Plínio Marcos (Tenda na Feira de Artes da Praça Benedito Calixto, em Pinheiros – SP). Com a participação do cartunista Junior Lopes, realizando caricaturas e outros convidados.

HOLOCAUSTO.indd

____________________________

 holocausto_brasileiro

Neste livro-reportagem fundamental, a premiada jornalista Daniela Arbex tira das sombras o esquecimento um dos capítulos mais macabros da nossa história: a barbárie e a desumanidade praticadas, durante a maior parte do século XX, no maior hospício do Brasil, conhecido por Colônia, situado na cidade mineira de Barbacena. Ao fazê-lo, a autora traz à luz um genocídio cometido, sistematicamente, pelo Estado brasileiro, com a conivência de médicos, funcionários e também da população, pois nenhuma violação dos direitos humanos mais básicos se sustenta por tanto tempo sem a omissão da sociedade. Pelo menos 60 mil pessoas morreram entre os muros da Colônia. Em sua maioria, haviam sido internadas à força. Cerca de 70% não tinham diagnóstico de doença mental. Eram epiléticos, alcoólatras, homossexuais, prostitutas, gente que se rebelava ou que se tornara incômoda para alguém com mais poder. Eram meninas grávidas violentadas por seus patrões, esposas confinadas para que o marido pudesse morar com a amante, filhas de fazendeiros que perderam a virgindade antes do casamento, homens e mulheres que haviam extraviado seus documentos. Alguns eram apenas tímidos. Pelo menos 33 eram crianças.

Quando chegavam ao hospício, suas cabeças eram raspadas, suas roupas arrancadas e seus nomes descartados pelos funcionários, que os rebatizavam. Daniela Arbex devolve nome, história e identidade aos pacientes, verdadeiros sobreviventes de um holocausto, como Maria de Jesus, internada porque se sentia triste, ou Antônio Gomes da Silva, sem diagnóstico, que, dos 34 anos de internação, ficou mudo durante 21 anos porque ninguém se lembrou de perguntar se ele falava. Os pacientes da Colônia às vezes comiam ratos, bebiam água do esgoto ou urina, dormiam sobre capim, eram espancados e violados. Nas noites geladas da Serra da Mantiqueira, eram deixados ao relento, nus ou cobertos apenas por trapos. Pelo menos 30 bebês foram roubados de suas mães. As pacientes conseguiam proteger sua gravidez passando fezes sobre a barriga para não serem tocadas. Mas, logo depois do parto, os bebês eram tirados de seus braços e doados. Alguns morriam de frio, fome e doença. Morriam também de choque. Às vezes os eletrochoques eram tantos e tão fortes, que a sobrecarga derrubava a rede do município. Nos períodos de maior lotação, 16 pessoas morriam a cada dia. Ao morrer, davam lucro. Entre 1969 e 1980, 1.853 corpos de pacientes do manicômio foram vendidos para 17 faculdades de medicina do país, sem que ninguém questionasse. Quando houve excesso de cadáveres e o mercado encolheu, os corpos foram decompostos em ácido, no pátio da Colônia, diante dos pacientes, para que as ossadas pudessem ser comercializadas. Nada se perdia, exceto a vida.

No início dos anos 60, depois de conhecer a Colônia, o fotógrafo Luiz Alfredo, da revista O Cruzeiro, desabafou com o chefe: “Aquilo é um assassinato em massa”. Em 1979, o psiquiatra italiano Franco Basaglia, pioneiro da luta pelo fim dos manicômios que também visitou a Colônia, declarou numa coletiva de imprensa: “Estive hoje num campo de concentração nazista. Em lugar nenhum do mundo, presenciei uma tragédia como essa”.

Veja o Book trailer: http://www.youtube.com/watch?v=hZSwEuGj1xU.

 ________________________________________

IMG_5275


Daniela Arbex
é uma das jornalistas do Brasil mais premiadas de sua geração. Repórter especial do jornal Tribuna de Minas há 18 anos, tem no currículo mais de 20 prêmios nacionais e internacionais, entre eles três prêmios Esso, o mais recente recebido em 2012 com a série “Holocausto brasileiro”, dois prêmios Vladimir Herzog (menção honrosa), o Knight International Journalism Award, entregue nos Estados Unidos (2010), e o prêmio IPYS de Melhor Investigação Jornalística da América Latina e Caribe (Transparência Internacional e Instituto Prensa y Sociedad), recebido por ela em 2009, quando foi a vencedora, e 2012 (menção honrosa). Em 2002, ela foi premiada na Europa com o Natali Prize (menção honrosa).

______________________

Serviço:

Espaço Plínio Marcos – Tenda na Feira de Artes da Praça Benedito CalixtoPinheiros
Dia 17 de maio, sábado, às 15h

Informações: Edson Lima – 3739 0208 / 95030 5577 – oanp@uol.com.br.
Realização: Edson Lima, AAPBC.
Apoio: Max Design, Enlace-Media, Restaurante Consulado Mineiro e O Cantinho Português

 

Páginas:123456»

CADASTRE-SE EM NOSSA NEWSLETTER


NOSSOS CONTATOS

Geração Editorial
Rua João Pereira, 81
Lapa - São Paulo – SP
05074-070
Telefone: +55 (11) 3256-4444
geracaoeditorial@geracaoeditorial.com.br