ADHEMAR
A fantástica história de um político populista desbocado, amado e odiado, inspirador do infame lema “rouba, mas faz”, que participou do golpe militar de 1964, foi posto de lado pelos generais e morreu exilado em Paris, depois de marcar sua época e história do Brasil.

DEUSES DO OLIMPO
Explore o universo mágico da Grécia Antiga e conheça as histórias dos personagens mais famosos da mitologia. Um livro para gente pequena e gente grande tambécm! ( + )

OS VENCEDORES
Quem ganhou, perdeu. Quem perdeu, ganhou. Cinquenta anos após o advento da ditadura de 1964, é assim que se resume a ópera daqueles anos de chumbo, sangue e lágrimas. Por ironia, os vitoriosos de ontem habitam os subúrbios da História, enquanto os derrotados de então são os vencedores de agora. ( + )

A VILA QUE DESCOBRIU O BRASIL
Um convite a conhecer mais de quatro séculos de história de Santana de Parnaíba, um município que tem muito mais a mostrar ao país. Dos personagens folclóricos, tapetes de Corpus Christi, das igrejas e mosteiros, da encenação ao ar livre da “Paixão de Cristo”. Permita que Ricardo Viveiros te conduza ao berço da nossa brasilidade. ( + )

O BRASIL PRIVATIZADO
Aloysio Biondi, um dos mais importantes jornalistas de economia que o país já teve, procurou e descobriu as muitas caixas-pretas das privatizações. E, para nosso espanto e horror, abriu uma a uma, escancarando o tamanho do esbulho que a nação sofreu. ( + )

CENTELHA
Em “Centelha”, continuação da série “Em busca de um novo mundo”, Seth vai precisar ter muita coragem não só para escapar da prisão, mas para investigar e descobrir quem é esse novo inimigo que deixa um rastro de sangue por onde passa. A saga nas estrelas continua, com muita ação de tirar o folego! ( + )

MALUCA POR VOCÊ
Famosa na cidade pelos excessos do passado, Lily terá de resistir ao charme de um policial saradão oito anos mais jovem que acaba de chegar na cidade. Prepare-se para mais um romance apimentado e divertidíssimo escrito por Rachel Gibson.. ( + )

NOS IDOS DE MARÇO
A ditadura militar na voz de 18 autores brasileiros em antologia organizada por Luiz Ruffato. Um retrato precioso daqueles dias, que ainda lançam seus raios sombrios sobre os dias atuais. ( + )





Browsing articles tagged with "Arquivos histórias - Geração Editorial"
maio 22, 2014
admin

Taxista nos EUA, sírio escreve no tempo livre – por Larry Rohter

larry

Fonte: Folha de S.Paulo

http://www1.folha.uol.com.br/ilustrada/2014/05/1456941-taxista-nos-eua-sirio-escreve-no-tempo-livre.shtml

jun 20, 2012
Editora Leitura

A mulher dos sapatos vermelhos e outras histórias

“A mulher dos sapatos vermelhos” é a reunião de 41 crônicas do jornalista Carlos Herculano Lopes.  Esses instantâneos, prenhes de singeleza e observação psicológica, acabam por formar um mosaico que constitui a nossa realidade diária em tudo que esta pode conter de colorido,
multifacetado, familiar, banal, anti-heroico, e, ao mesmo tempo, de surreal, insólito e absurdo, mas sempre com a leveza de tons de alguém que ama a vida, as mulheres, os bate-papos com amigos em bares e outros prazeres simples que, consoante Oscar Wilde, são o último refúgio do complexo.

Leia abaixo o texto O pentelho e o pentelhinho

O rapaz e dois amigos estavam tomando cerveja encostados no balcão de um bar da Rua Tenente Garbo, no Santa Tereza, coração boêmio de Belo Horizonte. Há muito tempo ele não ia àquele bairro, onde havia morado nos seus tempos de estudante, e do qual guardava

as melhores lembranças. Falavam de futebol, de política, das mulheres de Minas, que estão cada vez mais belas, quando de repente chega um homem moreno, ainda novo, e um menino, que era seu filho, como depois ficaram sabendo. Esse devia ter uns cinco anos no máximo e usava um boné com escudo do Cruzeiro.

Àquela hora o bar ainda não estava cheio e o homem, sem cumprimentar ninguém, já foi perguntando se ali se vendia cigarro de palha. Como a resposta foi sim, ele foi querendo saber qual era a melhor marca, porque não queria mata-rato. “Não sei, porque não fumo”, o dono respondeu, sem espichar maiores conversas, enquanto o garçom lhe servia uma cerveja, também sem dar muito papo. Provavelmente já o conheciam de outros carnavais. “Me arranja qualquer um, picado, e uma caixa de fósforos”, disse, como se ordenasse.

O rapaz e seus amigos continuavam encostados no balcão, quando o novo cliente, depois de dar o primeiro gole, foi comentando, dirigindo-se a eles: “Mas essa cerveja está quente, que porcaria…”. Como nenhum rendeu assunto, ele tratou de acender o cigarro, no qual também

foi colocando defeito: era forte demais, o fogo não pegava direito, o fumo estava mal picado. “Uma b.”. Enquanto isso, seu filho, o que usava boné com escudo do Cruzeiro, tratava de atazanar o garçom, tirando pedaços de um pernil que esse estava fatiando, para servir em

uma mesa. “Faz isso não, menino”, falou, olhando para o pai, que não tomou nenhuma providência. “Faço, sim, faço o que quero”, respondeu o guri, mostrando a língua.

“Que dupla!”, um dos amigos disse baixinho, quando o homem, depois de pegar outro “paioso”, porque aquele que lhe venderam estava “intragável”, pediu um pedaço de linguiça e uma “da roça, para esquentar o sangue”. Também naquela branquinha ele não viu nenhuma qualidade. “Já não se fazem cachaças como antigamente”, disse, voltando-se outra vez para os ocupantes do balcão. Como estavam falando sobre o Atlético e da nova fase com Vanderley Luxemburgo, ele foi tratando de dar seu palpite. “Tem jeito para o Galo não, podem trazer qualquer um que o Cruzeirão vai continuar por cima.” Como ninguém esboçou reação, ele se voltou para o dono do bar e perguntou, com um risinho: “Você não concorda, meu chapa?”. Esse fingiu que não ouviu, no momento em que o filho, depois de já ter mascado três

chicletes e cuspido as gominhas no chão, voltou a tirar pedaços em outra porção que o garçom preparava. Novamente, esse olhou para o pai, que apenas sorriu, e disse: “Esse meu bichinho é fogo”.

E a noite foi indo. Os amigos, depois de pedir outra cerveja, começaram a beliscar pedaços de uma carne de sol com mandioca, que era um dos carros-chefes da casa. Mas, também daquela iguaria o homem, sem ser solicitado, falou mal e disse que outra, feita pelo vizinho, “era

infinitas vezes melhor”. O bar, àquelas horas, estava bem cheio e quando o tal foi ao banheiro, onde eu seu filho já havia espalhado no chão os rolos de papel higiênico e deixado as torneiras abertas, o garçom aproveitou para dizer. “Esse é um mala sem alças. Quase todos os dias vem aqui com esse menino, só para encher o saco de todo mundo.” Alguns minutos depois, após comentar com o dono que o movimento naquela noite “estava bem fraquinho”, o pentelho e pentelhinho, como já eram conhecidos no pedaço, foram embora.

PROMOÇÃO:

Siga a @geracaobooks e dê RT na frase para concorrer ao livro “A mulher dos sapatos vermelhos”.

Quero conhecer a mulher dos sapatos vermelhos e outras histórias c/a @geracaobooks. http://kingo.tо/17GT #promo

Participe até 27/06 às 00h. Serão sorteados 3 exemplares no dia 29/06. O resultado será divulgado no blog.

Resultado do sorteio

Sorteio realizado em 29/06/2012 às 11:03 por @geracaobooks, através dos usuários que retuitaram o link http://kingo.to/17GT.

  1. @Ninii_Nhaaa
  2. @alinebelle
  3. @lf_campos

CADASTRE-SE EM NOSSA NEWSLETTER


NOSSOS CONTATOS

Geração Editorial
Rua João Pereira, 81
Lapa - São Paulo – SP
05074-070
Telefone: +55 (11) 3256-4444
geracaoeditorial@geracaoeditorial.com.br