ADHEMAR
A fantástica história de um político populista desbocado, amado e odiado, inspirador do infame lema “rouba, mas faz”, que participou do golpe militar de 1964, foi posto de lado pelos generais e morreu exilado em Paris, depois de marcar sua época e história do Brasil.

DEUSES DO OLIMPO
Explore o universo mágico da Grécia Antiga e conheça as histórias dos personagens mais famosos da mitologia. Um livro para gente pequena e gente grande tambécm! ( + )

OS VENCEDORES
Quem ganhou, perdeu. Quem perdeu, ganhou. Cinquenta anos após o advento da ditadura de 1964, é assim que se resume a ópera daqueles anos de chumbo, sangue e lágrimas. Por ironia, os vitoriosos de ontem habitam os subúrbios da História, enquanto os derrotados de então são os vencedores de agora. ( + )

A VILA QUE DESCOBRIU O BRASIL
Um convite a conhecer mais de quatro séculos de história de Santana de Parnaíba, um município que tem muito mais a mostrar ao país. Dos personagens folclóricos, tapetes de Corpus Christi, das igrejas e mosteiros, da encenação ao ar livre da “Paixão de Cristo”. Permita que Ricardo Viveiros te conduza ao berço da nossa brasilidade. ( + )

O BRASIL PRIVATIZADO
Aloysio Biondi, um dos mais importantes jornalistas de economia que o país já teve, procurou e descobriu as muitas caixas-pretas das privatizações. E, para nosso espanto e horror, abriu uma a uma, escancarando o tamanho do esbulho que a nação sofreu. ( + )

CENTELHA
Em “Centelha”, continuação da série “Em busca de um novo mundo”, Seth vai precisar ter muita coragem não só para escapar da prisão, mas para investigar e descobrir quem é esse novo inimigo que deixa um rastro de sangue por onde passa. A saga nas estrelas continua, com muita ação de tirar o folego! ( + )

MALUCA POR VOCÊ
Famosa na cidade pelos excessos do passado, Lily terá de resistir ao charme de um policial saradão oito anos mais jovem que acaba de chegar na cidade. Prepare-se para mais um romance apimentado e divertidíssimo escrito por Rachel Gibson.. ( + )

NOS IDOS DE MARÇO
A ditadura militar na voz de 18 autores brasileiros em antologia organizada por Luiz Ruffato. Um retrato precioso daqueles dias, que ainda lançam seus raios sombrios sobre os dias atuais. ( + )





Browsing articles tagged with "Arquivos biblioterapia - Geração Editorial"
jan 16, 2014
admin

Médicos prescrevem livros para pacientes

sorriso

No Reino Unido, a prescrição de livros em vez de remédios para tratar a depressão tornar-se cada vez mais comum. Além do baixo custo, o método, já conhecido como “Biblioterapia”, não gera efeitos colaterais.

Por Liliana Pinho

Há uma nova terapia para depressão no Reino Unido e, a melhor parte, é que além do baixo custo ela também não apresenta efeitos colaterais. É chamada de “Biblioterapia” e faz jus ao nome: em vez de remédios, são prescritos livros. Isso mesmo: livros. É que de acordo com alguns especialistas, para além de fomentar a empatia, a leitura pode ajudar os pacientes a superar as suas fragilidades emocionais.

A “Biblioterapia”, como já é conhecida esta forma de tratamento, foi desenvolvida com base numa pesquisa desenvolvida pelo psiquiatra Neil Frude, em 2003, que concluía precisamente que os livros tinham potencial para substituir os antidepressivos. É que ao acompanhar o percurso dos seus pacientes, Frude rapidamente percebeu que estes compensavam a frustração da espera pelos primeiros efeitos dos remédios – que podia durar anos – com a leitura, como forma de entretenimento.

O método, chamado de “Books on Prescription” começou a ser utilizado oficialmente pelo Serviço Nacional de Saúde do Reino Unido (NHS) e foi  divulgado por Leah Price, pesquisadora e professora da Universidade de Harvard, no jornal The Boston Globe. “Se o psicólogo ou psiquiatra diagnostica o paciente com depressão leve ou moderada, uma das opções é passar-lhe uma receita com um dos livros aconselhados“, explica a pesquisadora.

E sendo uma prescrição – e não apenas uma recomendação – o paciente deve seguir as indicações do médico rigorosamente, depois de trocar a receita na biblioteca. Até porque não existem efeitos colaterais: “Ao contrário dos remédios, ler um livro não acarreta efeitos colaterais como o ganho de peso, a diminuição do desejo sexual ou as náuseas”, enfatiza Price.

100 mil requisições nos primeiros três meses

Os livros são “selecionados com base no conteúdo e no âmbito de programas de leitura desenhados para facilitar a recuperação de pacientes que sofram de doenças mentais ou distúrbios emocionais” e esta “parece ser uma solução vantajosa e de baixo custo”, já que os livros acabam por sair mais baratos do que os remédios, ou até a custo zero, no caso das requisições.

“Ler melhora a saúde mental e é difícil pensar na existência de malefícios quando se fala de um programa como este”, defende a pesquisadora. Por isso mesmo, tem cativado cada vez mais adeptos. Ainda que não existem números oficiais sobre a sua verdadeira eficácia, mas a pesquisadora adianta que, só nos primeiros três meses do programa, foram feitas mais de 100 mil requisições dos livros de autoajuda recomendados.

Esta, porém, não é a primeira vez que o Serviço Nacional de Saúde britânico aposta neste tipo de programas, numa forma de reconhecimento da importância dos livros. Uma outra iniciativa, denominada “The Reader Organisation“, por exemplo, reúne pessoas desempregadas, reclusos, idosos ou apenas solitários para que, todos juntos, leiam poemas e livros de ficção em voz alta.

Fonte: JPN

CADASTRE-SE EM NOSSA NEWSLETTER


NOSSOS CONTATOS

Geração Editorial
Rua João Pereira, 81
Lapa - São Paulo – SP
05074-070
Telefone: +55 (11) 3256-4444
geracaoeditorial@geracaoeditorial.com.br