O luar na avenida da fé

luar_avenida_fe
Autor: Gina B. Nahai
Gênero: Romance
Páginas: 376
ISBN: 857509017-8
Peso: 0.6 kg.
Preço: R$ 44,00

Sinopse:
A iraniana Gina Nahai já foi comparada a Gabriel García Márques, pela habilidade com o realismo mágico, e a Scherazade das “Mil e Uma Noites” jeito de contar histórias. “O Luar na Avenida da Fé” é uma fábula cheia de poesia e imaginação sobre a saga de uma família do Irã. A história é rica e cheia de detalhes interessantes como um tapete persa. “Encantador” e “arrebatador” foram alguns adjetivos que a crítica usou para definir o livro.


——————————————————————————–
Nova escritora iraniana surpreende a crítica mundial, que a compara com Gabriel García Márquez, pela magia do texto, e com Scherazade, das Mil e Uma Noites, pela forma contagiante de contar histórias

Quem imaginava que o colombiano Gabriel García Márquez, de Cem Anos de Solidão, tinha esgotado todas as potencialidades do realismo mágico, aquela maneira fascinante de narrar um épico familiar, se surpreendeu quando uma nova escritora iraniana, Gina B. Nahai, lançou seu primeiro livro em língua inglesa: “Cry of Peacock”, um delírio narrativo que buscava suas origens no passado persa e trazia os personagens até os dias de hoje, quando a região vive um de seus mais trágicos períodos.

O espanto cedeu lugar à unânime admiração quando Gina Nahai lançou seu segundo livro, “O Luar na Avenida da Fé” (Geração Editorial, 376 págs, R$ 36), uma história de várias gerações, tão intrincada e ricamente colorida como um tapete persa, como escreveu um crítico norte-americano.

Gina Nahai é uma grande e feliz descoberta, empolga-se o editor da Geração, Luiz Fernando Emediato, que é também escritor e admirador de García Márquez. E explica: “Embora a crítica a tenha comparado obsessivamente a García Márquez, ela não é uma imitadora do escritor colombiano. Na verdade, os dois beberam na mesma fonte, dos mitos ancestrais, aquela forma de narrar mágica, fantástica, que teve seu apogeu no Oriente, e da qual as Mil e Uma Noites são um perfeito exemplo”.

Gina Nahai conta “uma história de várias gerações, tão intrincada e ricamente colorida como um tapete persa”, resume o jornal americano The Orlando Sentinel. “Arrebatador”, “fascinante”, “empolgante”, “surpreendente”, “mágico”, “encantador”, são alguns dos pródigos adjetivos com que todos os críticos se derreteram diante da escritora.

Mas que história ela nos conta?

Numa noite repleta de estrelas, Lili, de cinco anos, vê sua mãe, Roxanna, o Anjo, ganhar asas e desaparecer no céu, alheia às regras da gravidade. Roxanna parte sem despedidas, sem explicações, e sem deixar rastros. Lili parte em busca de sua mãe, encorajada pelos esforços de sua tia Miriam, a Lua. Este é o centro do épico que leva Roxanna – criança que nasceu sem futuro no cruel gueto judeu de Teerã – através do mundo opulento da aristocracia do Irã até os prostíbulos da Turquia, e mais além, na Los Angeles dos dias atuais. Em jogo estão as esperanças de Roxanna pela felicidade, seu desejo de fugir das amarras da tradição do Velho Mundo e sua esperança de encontrar perdão pelo mais comum dos pecados – o desejo.

Entrelaçando fios da cultura persa e judia, com o uso de elementos como o mito, a fábula, a mágica e a fantasia, Gina Nahai dá vida a um corajoso círculo de mulheres enraizadas na tradição natal, mas capazes de reformular sua vida na América, a terra das oportunidades e das escolhas.

Um romance autobiográfico? Gina Nahai diz que não, mas que “o livro deriva amplamente das minhas memórias do Irã e do povo que eu conhecia quando crescia” (ver entrevista com a autora). “Como acontece em todos os meus livros, fiz uma grande quantidade de entrevistas orais, a fim de reunir estas histórias, e depois as transcrevi, ao mesmo tempo que me esforçava para me manter o mais fiel possível às vozes e histórias que ouvi”, completa a autora.

Histórias “arrebatadoras, cuja leitura é difícil de interromper”, escreveu o crítico Los Angeles Times Book Review. De fato, tal como em “Cem Anos de Solidão”, o livro de Gina Nahai é daqueles impossíveis de serem largados, e que passam a fazer parte do nosso dia-a-dia e da nossa imaginação.

Gina Nahai nasceu no Irã e foi educada na Suíça e nos Estados Unidos. É autora também de “Cry of the Peacock” e “Sunday’s Silence”, romances premiados e aclamados internacionalmente, e que também serão lançados no Brasil pela Geração Editorial. É conferencista regular sobre a história dos Judeus no Irã e de temas sobre o exílio. Foi consultora de História do Irã para o Ministério da Defesa dos Estados Unidos. Mora com a família em Los Angeles.

CADASTRE-SE EM NOSSA NEWSLETTER


NOSSOS CONTATOS

Geração Editorial
Rua Gomes Freire, 225
Lapa - São Paulo – SP
05075-010
Telefone: (11) 3256-4444
geracaoeditorial@geracaoeditorial.com.br