out 31, 2011
Editora Leitura

Homenagem ao Dia D – Dia de Carlos Drummond de Andrade / Resultado

     Memória

Amar o perdido
deixa confundido
este coração.

Nada pode o olvido
contra o sem sentido
apelo do Não.

As coisas tangíveis
tornam-se insensíveis
à palma da mão.

Mas as coisas findas,
muito mais que lindas,
essas ficarão.

Carlos Drummond de Andrade

“Fome”, que nesta tradução ganha a qualidade do texto de Carlos Drummond de Andrade, descreve de forma tragicômica as agruras de um escritor miserável e vagabundo, que vaga pelas ruas da antiga Cristiania (hoje Oslo, capital da Noruega) com as roupas em farrapos, famélico, levando um toco de lápis com o qual escreve artigos para jornais, dependendo do pagamento para comer e continuar vivo. Enquanto isso, reflete sobre o sentido da vida.

De forma angustiante, empolgante, você vai conhecer um homem pálido, jovem, criativo e com um vazio que o consome: a fome. Ele caminha pelas ruas quase desfalecendo, com o cérebro em brasas, buscando inutilmente ideias para os artigos que raras vezes saem do papel.

Os dias perdem cor e passam depressa enquanto a fome aumenta. Sem concentração, sem inspiração para escrever, o personagem divaga enquanto contempla o mundo e busca as razões para viver, sonhar e resistir.  “Se brotasse ao menos uma ideia, uma simples ideia, que me pegasse à força, me metesse as palavras na boca!”.

Na loucura, em meio ao desespero, pede um osso ao açougueiro, rói e procura feito um cão faminto pelos pedaços de carne. A consciência retorna e ele vomita, o odor de sangue seco é forte.

“Aquilo não tinha gosto; o cheiro nauseante de sangue velho subia do osso, dando vontade de vomitar. Fiz nova tentativa. Ah, se pudesse guardar um pedacinho de carne, certamente faria efeito; a questão era conseguir que ele ficasse lá dentro. Mas outra vez a náusea me invadia”.

Os conflitos do personagem ocorrem em situações que vão da lucidez à insanidade. Figura cômica, desprotegida, é fácil imaginá-lo nas condições mais tristes e deprimentes que parecem, muitas vezes, sem saída. Os críticos literários consideram Hamsun o criador do fluxo da consciência, ou seja, o pensamento do personagem é narrado de forma direta, sem cortes.

“Fome” é considerado o melhor livro deste autor muito conhecido no Brasil nos anos 40, quando aqui foram lançados títulos como “Um vagabundo toca em surdina”, “Pan”, “Frutos da terra” e “Vitória”, entre outros. Controvertido, excêntrico, polêmico, comovente, avassalador e monumental em sua obra cheia de sangue, vida e furor, Hamsun nos deixou uma obra paradoxalmente plena de amarguras, sonhos e descrenças, mas também de alegrias, otimismo e esperanças.

Dê RT na frase abaixo e concorra a um exemplar da obra Fome que foi traduzida por Drummond:

#DiaD Uma homenagem da @geracaobooks ao poeta Carlos Drummond de Andrade.  #diadrummond http://kingo.to/Sem


Resultado da Promoção:

Sorteio realizado em 04/11/2011 às 16:00 por @geracaobooks, através dos usuários que retuitaram o link http://kingo.to/Sem.

  1. @ximxom


3 Comments

  • Drummond construiu uma grande OBRA LITERÁRIA…Era um poeta fabuloso….Drummond sempre!
    Vou deixar aqui minha contribuição para Carlos Drummond de Andrade
    em forma de poema…abraço… ( Sérvio Lima )

    CARLOS CARLOS

    Enquanto um Carlos
    em Drummond

    me
    cura
    calos,

    o outro Carlos
    em Andrade
    claramente
    me arde

    ( poesia )

    Sérvio Lima

  • Amo Carlos Drummond de Andrade, acho que a contribuição dele com a nossa literatura foi um belo acervo, que hoje podemos nos dar conta de tão bom ele foi.

    • A pesar de estar deixando este comentário um pouco atrasado (apesar que eu acho que dia de Drummond é todo dia), gostaria deixar registrado que acho a obra Drummond fantástica, apesar de não conhecê-la completamente, mas o que conheço ja é suficiente para poder afirmar.
      E eu como Carlos posso também dizer que:
      “Quando nasci, um anjo torto
      desses que vivem na sombra
      disse: Vai, Carlos! ser gauche na vida.”

Leave a comment

CADASTRE-SE EM NOSSA NEWSLETTER


NOSSOS CONTATOS

Geração Editorial
Rua João Pereira, 81
Lapa - São Paulo – SP
05074-070
Telefone: +55 (11) 3256-4444
geracaoeditorial@geracaoeditorial.com.br