Folclore político

folclore_politico

COMPRAR
Autor: Sebastião Nery
Gênero: Reportagem
Formato: 21 X 28 cm
Páginas: 720
ISBN: 857509061-5
Peso: 1.5 kg.
Preço: R$99,90

Sinopse:
As histórias curtas, engraçadas, sobre políticos brasileiros, começaram a ser publicadas nos jornais nos anos 70, pelo jornalista Sebastião Nery.Nos anos 70 e 80, elas foram reunidas em livros que venderam milhares de exemplares, nas livrarias e nas bancas, em quatro grandes volumes. O quinto volume – pronto desde meados dos anos 80 – nunca foi publicado. Este Folclore Político, lançado agora pela Geração Editorial, reúne todas as famosas histórias reunidas nos quatro volumes esgotados, mais as 500 histórias inéditas do volume 5. São ao todo 1950 histórias risonhas, marotas, irônicas, retratando as qualidades e as ausências de qualidades dos mais famosos ou mesmo desconhecidos políticos brasileiros de todos os tempos. Fazem parte do livro as histórias que Jô Soares adaptou para uma famosa peça teatral, no início dos anos 80. Em todas elas, a graça e o charme do texto deste jornalista que se tornou o maior crítico dos costumes políticos de nosso país. Estas histórias, que circulam diariamente, recontadas nem sempre com a mesma graça, pelos jornais brasileiros, transformaram Sebastião Nery numa verdadeira lenda do anedotário político brasileiro.

————————————————————————–

Chega às livrarias em dezembro edição histórica e monumental do “Folclore Político” de Sebastião Nery, com 1950 histórias

Existem duas histórias políticas do cotidiano. Uma é a oficial, pomposa, solene, que toma conta do noticiário dos jornais e das revistas, com declarações calculadas por parte dos políticos, denúncias, articulações, tramas e notas nem sempre verídicas – tudo coberto por um manto de grave seriedade.

A outra é risonha, marota, contada em segredo nos gabinetes fechados, na sala do cafezinho do Senado e da Câmara (“os anfiteatros mais engraçados do país”, segundo Millôr Fernandes), nos grotões mais distantes e até nas alcovas. Muitas vezes as melhores destas histórias transformam-se em piadas clássicas que os deputados contam até no plenário, enquanto não escutam o discurso monótono do colega – histórias que correm de boca em boca, trazendo à tona o inconsciente coletivo do poder.

É feita por políticos de carne e osso, em toda a sua dimensão trágica e sublime. Nessa política, uma breve história pode ter um poder de revelação maior que todo um noticiário.

Costa Porto era ministro de Café Filho, amigo dele, e quase nunca levava papéis para despachar. – Porto, por que tu trazes tão pouco despacho? – Café, no meu ministério, ou tenho problemas tão pequenos que eu mesmo resolvo, ou tão grandes que nem você resolve.

Foi com histórias como esta, centenas dela, mais de um milhar, que o jornalista e ex-deputado Sebastião Nery tornou-se uma espécie de lenda do anedotário político. Foi ele, mais ninguém, que inaugurou as seções de folclore político nos jornais, e é dele a expressão.

Nos anos70 e 80, seus vários volumes do “Folclore Político” venderam dezenas de edições, em livrarias e bancas de jornal. Foram quatro grandes volumes, até meados dos anos 80, quando Nery interrompeu sua vasta produção – e passou a ser imitado por vários outros autores, os quais geralmente acabam se apropriando das mesmas histórias coletadas por Nery e republicando-as, muitas vezes com o texto e o humor visivelmente piorados.

Toda a produção de Sebastião Nery do passado – cerca de 1.500 histórias – mais quase 500 outras histórias inéditas fazem parte agora de uma nova, histórica e enriquecida edição (“Folclore Político – 1.950 histórias – cinco volumes em um”, Geração Editorial, formato 21×28 cms, 656 páginas, prefácios de Millôr Fernandes, Joel Silveira e José Nêumanne Pinto, ilustrações de Nássara, Lan e Oswaldo Pavanelli) Sebastião Nery é autor também, pela mesma editora, de “A Eleição da Reeleição” e “Grandes Pecados da Imprensa”.

Nery é o que se pode chamar de “especialista” nos meandros do poder, além de engraçadíssimo contador de histórias – histórias tão boas que foram adaptadas para o teatro por nada menos que Jô Soares. A peça foi um sucesso estrondoso nos anos 80, ainda durante a ditadura militar. Em mais de meio século de jornalismo, Nery conviveu de perto com toda a sorte de homens público, principalmente os grandes e já lendários, como José Américo de Almeida, José Maria Alkimin e Juscelino Kubitscheck, sem falar nos generais da ditadura militar. Já foi vereador, deputado estadual e federal e rodou o Brasil e o mundo, sempre cobrindo política e eleições.

Conhecedor como ninguém do lado B da política, Nery logo se interessou por contá-lo ao público. O início foi pela necessidade. Em 1971, plena ditadura militar e a imprensa sob censura, escreveu uma coluna sobre Juscelino para o jornal Tribuna da Imprensa. O censor de plantão na redação vetou. Voltou para a máquina de escrever e escreveu, para substituir, algumas crônicas sobre José Maria Alkimin. Que tinham Juscelino no meio. Passou.

O fato revelou uma forma de sobrevivência. “Este não é, portanto, um livro descompromissado. Menino de fazenda, cedo aprendi que, quando a estrada não dá caminho, toma-se o atalho. É o jeito de dizer, pela boca dos outros, o tornado indizível. O humor é uma linguagem absolutamente séria, necessária, eterna”, diz Nery.

A partir de então, começou a publicar a série de livros “Folclore Político”. Foram quatro volumes, de 72 a 84 –sucesso absoluto, vendendo várias edições cada uma. Depois, deu um tempo, e voltou a pesquisar, colecionando novas histórias para este volume completo do “Folclore” que a Geração agora lança, com 1.943 histórias, cada Estado com seu capítulo, líderes e sabedoria. Uma aquarela política nacional completa. 

Lendo o livro, fica claro que o autor escreveu uma parte – talvez a mais saborosa – da história recente do Brasil. Por outro ângulo. No prefácio do quarto volume, o jornalista Joel Silveira afirmou que “não resta dúvida que no futuro será principalmente nas crônicas de Nery, no seu relato diário dos fatos que se passam nos bastidores da política atual, que os historiadores irão encontrar o material melhor para a reconstrução exata dos tempos em que estamos vivendo”. E como a política seguiu seu caminho, e Nery a acompanhou, ainda valem as palavras de Millôr para o prefácio do primeiro volume: “É um livro extremamente atual, este ‘Folclore Político’”.

No jantar de aniversário do radialista Paulo Lopes, em São Paulo, o ministro José Serra pegou no braço do deputado Luiz Antônio de Medeiros (PL-SP), fundador da Força Sindical, e o levou à varanda:
– Medeiros, você vai me apoiar ou não?
– Serra, não posso apoiar você. Vou apoiar o Lula. Meu partido, o PL, vai apoiar o Lula e eu vou ficar com meu partido e com Lula.
– E o Paulinho 
(Paulo Pereira da Silva, presidente da Força Sindical)?
– Serra, o Paulinho é do PTB, que está apoiando o Ciro Gomes. Paulinho vai ficar com o Ciro.
– Mas, Medeiros, em 94 e 98 vocês ficaram conosco. Por que isso agora?
– Ora, Serra, porque a situação é outra, o país e a política são outros.
– Olha, Medeiros, estou com 60 anos e me preparei a vida inteira para ser presidente da República. Não posso esperar 2006. A decadência física das pessoas começa depois dos 60. Nunca esqueço o Montoro 
(Franco Montoro, governador de São Paulo), que terminou o governo dele já gagá, aos 70 anos.
– Que bobagem, Serra, você está tão jovem, tão bem.
– Nada disso, Medeiros. É agora ou nunca. Vou passar por cima de quem estiver em meu caminho. 


Jornalismo, história, crônicas. “Folclore Político” pode ser lido de qualquer uma dessas maneiras. Talvez o retrato mais fiel que salta de suas páginas seja a célebre imagem que o fotógrafo Jean Manzon, de O Cruzeiro, fez do folclórico político Barreto Pinto. Manzon e o repórter David Nasser convenceram Barreto a posar de fraque e ceroulas, já que, garantiam, só a parte de cima apareceria. Na próxima edição da revista, eis a foto da política de fraque e de ceroulas.

E é essa visão, muito mais fiel à realidade, que Sebastião Nery apresenta neste aclamado “Folclore Político”. Diversão na certa.

CADASTRE-SE EM NOSSA NEWSLETTER


NOSSOS CONTATOS

Geração Editorial
Rua João Pereira, 81
Lapa - São Paulo – SP
05074-070
Telefone: +55 (11) 3256-4444
geracaoeditorial@geracaoeditorial.com.br