Dossiê Moscou

dossie_moscou

COMPRAR

Dossiê Moscou
Autor: Geneton Moraes Neto
Categoria: Reportagem
Formato: 16 x 23 cm
Páginas: 240
Peso: 415gr
ISBN: 857509111-5
Cód. barra: 9788575091111
R$ 42,00
Editora: Geração

Sinopse:

Em Dossiê Moscou, o jornalista Geneton Moraes Neto, descreve o que aconteceu no dia em que o líder da antiga União Soviética, Mikail Gorbachev, deu por concluída a abertura política e econômica, o que resultou no fim do socialismo real. Geneton, que foi correspondente da TV Globo na ex-União Soviética, entrevistou personalidades mundiais, revelando segredos que nunca foram publicados sobre um dos maiores acontecimentos do final do século XX. O livro também traz um capítulo especial com uma entrevista reveladora do filho do ex-líder soviético Nikita Kruschev.

______________________________________________

“Dossiê Moscou”: a História e as histórias

Quando terminou seu grande livro jornalístico sobre o fim da maior das utopias, a socialista, o jornalista Geneton Moraes Neto pensou em lhe dar o título de Bye,Bye, Brejnev. Ao fazer a revisão das provas, veio-lhe à mente um título menos empolgante, mas bem mais preciso: Dossiê Moscou, a cobertura, sim, da primeira eleição para a presidência da Rússia após sete décadas de comando comunista, mas também, e principalmente, a história, contada em lances emocionantes, do espetacular colapso da gigante União Soviética, com intervalos brilhantes para reflexões sobre ideologias, utopias, modelos políticos e econômicos.

Com brilhante carreira no jornalismo eletrônico e impresso, já percorreu os corredores da morte em prisões de segurança máxima americanas, esteve nas ruínas de campos de concentração na Alemanha, entrevistou astronautas que pisaram na lua, sobreviventes do Titanic, o co-piloto do avião que jogou a bomba atômica sobre Hiroshima e o assassino de Martin Luther King. Dossiê Moscou é o oitavo livro-reportagem de Geneton, que já escreveu, entre outras coisas, sobre o pacto maldito entre Hitler e Stalin, sobre o poeta Drummond e sobre a tragédia da Copa de 50.

Retrato da humanidade

Uma outra maneira de definir Dossiê Moscou é que em suas páginas estão escritas as grandes petite histoires, e não vai contradição nenhuma nisso. São as histórias que fazem a História. Um retrato da humanidade por meio dos personagens que a compõem. Assim, o autor combina a reportagem dos grandes fatos de repercussão mundial com as grandes histórias de pessoas que na maior parte das vezes escapam das lentes de tevê e das páginas de jornal.

Como o flagrante ao ex-professor de Ciências Sociais do Partido Comunista, caminhando cabisbaixo em um inusitado cemitério de estátuas, onde se encontram destroços dos grandes monumentos a líderes comunistas como Lenin, Brejnev e Andropov, e maldizendo a marcha da História. Ou o momento único em que Gorbatchev, o líder que promoveu as aberturas política e econômica na URSS, admirado em todo mundo, Prêmio Nobel da Paz, depositou seu voto na urna e despontou para o esquecimento no seu próprio país, onde era impopular.

A História se faz com fatos como o acontecimento marcante que mudou a geopolítica internacional. Foi em 1989, e se passou com aquele que seria o presidente que comandaria uma guinada da Rússia em direção ao capitalismo. Boris Yeltsin, conhecido pela sua falta de brilho intelectual e pelas constantes mudanças de opinião, estava nu em uma sauna quando outros homens, igualmente nus, o estimularam a manter firme a rebelião contra o Partido Comunista. Yeltsin confessaria para seu biógrafo que aquele fato havia mudado sua visão de mundo. Naquela hora descobrira que era comunista “por inércia, mas não por convicção”.

Entrevistas exclusivas

Junto com as histórias e a História, o livro traz também um caráter reflexivo. Por meio de entrevistas como as com Eric Hobsbawm, um dos maiores historiadores do século 20, e com o filósofo marxista Leandro Konder, Dossiê Moscou busca responder perguntas como: O socialismo ainda vive? Há ainda espaço para as utopias? O que legou para o mundo o comunismo, a “religião sem Deus”, segundo o escritor Ariano Suassuna, “um insulto à nossa inteligência”, segundo o economista John Maynard Keynes?

Rico em entrevistas, Geneton Moraes Neto colheu também um dos últimos pronunciamentos de Pavel Sudoplatov, único agente da KGB sobrevivente da era Stalin, o homem que deu a ordem para que se matasse Trotski no México. Falou também com a astronauta Svetlana Savitskaya, a primeira mulher a flutuar no espaço, que com sua frieza serviria bem como fonte de inspiração para a Ninotchka do filme de Ernst Lubitsch. “Se você quer saber sobre emoções, deve entrevistar outra pessoa”, foi avisando logo de cara, o que não a impediu de dar um dos relatos mais emocionantes do livro, uma rara perspectiva da guerra vista do alto: “Quando estão no espaço os cosmonautas vêem a Terra como a casa onde moram. Voltar para casa significa voltar para o planeta Terra, e não para a América ou a União Soviética.”

Completam o quadro de entrevistas Oleg Kalugin, ex-general da KGB, espião que falou sobre os bastidores da guerra fria e a falsificação de documentos britânicos, franceses e americanos para mostrar o “caráter sinistro” do imperialismo, o fanfarrão candidato Vladimir Zhirinovsky, cujo depoimento da própria esposa, Galina, é de que para ele a política é mais importante que o sexo, o marqueteiro de Yeltsin, Mikhail Margelov, ex-agente da KGB que agora se dedica a fazer a denúncia do passado comunista do país, Serguei Kruschev, filho do líder Nikita, que numa assembléia da ONU em 1960 tirava um dos sapatos e batia sobre a mesa para expressar discordância aos discursos que ouvia, Oleg Ignatiev, velho jornalista do Pravda que um dia diante da necessidade inventou um provérbio egípcio, e Gennady Zyuganov, o candidato comunista que quase tirou a reeleição de Yeltsin e fez acender o alerta vermelho no Ocidente. Mesmo que para isso tenha que ter deixado de lado seu materialismo dialético e usar o Apocalipse bíblico para mostrar que o demônio enviaria duas bestas do inferno, a primeira com uma marca na cabeça, a segunda com uma marca na mão, referindo-se a Gorbatchev e sua famosa pinta na testa e a Yeltsin, que havia perdido dois dedos da mão na explosão de uma granada.

Com isso, este livro-reportagem traz à tona as peças que compõem a realidade. Mostra que a reportagem não é só o fato, mas os vários ângulos do fato, combinando a grande angular com o plano de detalhe. Prova que a reportagem em primeira pessoa, com emoção e paixão, pode combinar com objetividade. A Dossiê Moscou pode-se aplicar uma das definições do jornalismo: “o primeiro rascunho da História”. Mas um rascunho completo, elaborado, apresentado com um texto instigante e envolvente que convida o leitor a aproximar-se dos fatos que marcaram o século.

Dessa maneira, Dossiê Moscou vai decifrando uma Rússia que, nas palavras de Winston Churchill, era “um mistério, envolto por um enigma, embrulhado num segredo”. O livro estrutura-se como um longo dia de reportagem para dentro da noite. Começa na manhã das eleições, relatando o “dia que demorou cem anos para acontecer”, na épica descrição da imprensa russa, e vai relembrando o passado até aquele ponto final da saga soviética: a revolução de 17 onde menos se esperava, a agrária Rússia, a morte do líder Lenin em 24, o longo governo de Stalin, as denúncias de seu sucessor, Kruschev, em 56, que tiraram Stalin da condição de “guia genial dos povos” para a de um dos maiores criminosos da humanidade, Brejnev, Andropov, Tchernenko e, finalmente, Gorbatchev, que promoveu a glasnost e a perestroik mas foi responsabilizado pelo colapso do país. Assim, perdeu as eleições para Yelstsin, ex-comunista convertido à economia de mercado. No segundo mandato, Yeltsin, doente, deixou o cargo para o atual presidente, Vladimir Putin. À noite, só na redação, o jornalista e autor reflete sobre sua atividade.

CADASTRE-SE EM NOSSA NEWSLETTER


NOSSOS CONTATOS

Geração Editorial
Rua João Pereira, 81
Lapa - São Paulo – SP
05074-070
Telefone: +55 (11) 3256-4444
geracaoeditorial@geracaoeditorial.com.br