ADHEMAR
A fantástica história de um político populista desbocado, amado e odiado, inspirador do infame lema “rouba, mas faz”, que participou do golpe militar de 1964, foi posto de lado pelos generais e morreu exilado em Paris, depois de marcar sua época e história do Brasil.

DEUSES DO OLIMPO
Explore o universo mágico da Grécia Antiga e conheça as histórias dos personagens mais famosos da mitologia. Um livro para gente pequena e gente grande tambécm! ( + )

OS VENCEDORES
Quem ganhou, perdeu. Quem perdeu, ganhou. Cinquenta anos após o advento da ditadura de 1964, é assim que se resume a ópera daqueles anos de chumbo, sangue e lágrimas. Por ironia, os vitoriosos de ontem habitam os subúrbios da História, enquanto os derrotados de então são os vencedores de agora. ( + )

A VILA QUE DESCOBRIU O BRASIL
Um convite a conhecer mais de quatro séculos de história de Santana de Parnaíba, um município que tem muito mais a mostrar ao país. Dos personagens folclóricos, tapetes de Corpus Christi, das igrejas e mosteiros, da encenação ao ar livre da “Paixão de Cristo”. Permita que Ricardo Viveiros te conduza ao berço da nossa brasilidade. ( + )

O BRASIL PRIVATIZADO
Aloysio Biondi, um dos mais importantes jornalistas de economia que o país já teve, procurou e descobriu as muitas caixas-pretas das privatizações. E, para nosso espanto e horror, abriu uma a uma, escancarando o tamanho do esbulho que a nação sofreu. ( + )

CENTELHA
Em “Centelha”, continuação da série “Em busca de um novo mundo”, Seth vai precisar ter muita coragem não só para escapar da prisão, mas para investigar e descobrir quem é esse novo inimigo que deixa um rastro de sangue por onde passa. A saga nas estrelas continua, com muita ação de tirar o folego! ( + )

MALUCA POR VOCÊ
Famosa na cidade pelos excessos do passado, Lily terá de resistir ao charme de um policial saradão oito anos mais jovem que acaba de chegar na cidade. Prepare-se para mais um romance apimentado e divertidíssimo escrito por Rachel Gibson.. ( + )

NOS IDOS DE MARÇO
A ditadura militar na voz de 18 autores brasileiros em antologia organizada por Luiz Ruffato. Um retrato precioso daqueles dias, que ainda lançam seus raios sombrios sobre os dias atuais. ( + )





Browsing articles in "Notícias"
nov 28, 2015
admin

O menino que emprestava livros

1448303703_050882_1448575571_noticia_grande
Guilherme Roberto, fundador da Livreteria / VICTOR SOARES

A aposentada Juraci Nascimento era famosa em sua comunidade, o Morro do Zinco, uma favela do Complexo de São Carlos, no Rio de Janeiro. A senhora de 80 anos deixava as portas de seu sobrado sempre abertas, onde frequentemente organizava festas temáticas, como as de Natal, para cerca de 150 crianças em seu quintal. “Ela tinha uma lista de todas as crianças do Morro, com as suas medidas de roupa e de calçado. Com a ajuda de entidades parceiras da comunidade, distribuía um kit para a criançada toda no final do ano. Frequentei muito essas festas quando era menino. Dona Juraci me inspirou e me ajudou muito a ser o que sou”, conta Guilherme Vinícius Roberto, que hoje tem 30 anos e uma empresa social, fundada em sua homenagem. Faz um ano que ela morreu, então não chegou a conhecer o empreendimento que carrega o seu nome, a Livreteria Popular Juraci Nascimento. Mas, com certeza, ficaria orgulhosa. Assim como ela, a Livreteria tem como objetivo contribuir para melhorar a vida dos moradores da comunidade. E não cobra nada em troca. “Levo a literatura para as crianças do Morro, para que nutram o gosto pela leitura desde cedo. Quero consolidar um espaço na comunidade voltado para a cultura, para a arte e para a esperança”, conta. 

Nos fins de semana, Roberto e sua equipe, formada por quatro jovens de 16 a 18 anos, sobem o Morro com um triciclo customizado, que carrega um armário de compensado cheio de livros. As portas se abrem em uma rua, escolhida por eles durante a semana, e as crianças logo aparecem para o início das atividades. “Contamos histórias e emprestamos livros. Se demoramos para voltar para uma rua, somos cobrados pelas crianças. Isso é muito gratificante para nós”, afirma Roberto.

A principal fonte de renda da Livreteria é o bolso do jovem empreendedor, formado em comunicação social, que trabalha de madrugada em uma produtora de clipping. No ano passado, o projeto chegou a receber 10 mil reais para sair do papel, da Agência Redes para a Juventude, um projeto de capacitação e inclusão de jovens apoiado pela prefeitura do Rio de Janeiro. Com esse capital inicial, a literatura itinerante ganhou vida no Morro. Em apenas um ano de existência, conta com 600 títulos, nacionais e internacionais, todos doados por entidades parceiras ou pelos próprios moradores da comunidade.

“Os jovens do Morro não têm perspectivas de ingressar no mercado de trabalho com bons empregos nem cursar uma boa universidade, pois não têm condições de pagar por isso. A ideia da Livreteria é garantir acesso gratuito ao conhecimento e instigar nos moradores, desde crianças, a buscá-lo em diversas fontes. Não é preciso dinheiro para adquirir gosto pela literatura e pelo conhecimento”, diz Roberto.

Para dar um passo à frente, ampliar o alcance do projeto, profissionalizar a gestão e transformá-lo formalmente em uma empresa, especificamente, em uma associação, o empreendedor está contando com o apoio do Social Starters, um programa de desenvolvimento de jovens transformadores, fundado pelas britânicas Anna Moran e Andrea Gamson em 2014. As primeiras rodadas do programa, que ajuda empreendedores de comunidades carentes a estruturarem seus negócios, ocorreu no Quênia. Depois, na Índia. Em junho deste ano chegou ao Brasil, na cidade do Rio de Janeiro. O programa tem apoiado empreendedores das favelas cariocas com consultoria e workshops de gestão. Todo o trabalho é realizado por voluntários. A primeira edição verde-amarela contou com 12 voluntários dos Estados Unidos, da Europa e da Austrália, que vieram ao Brasil para transmitir conhecimento sobre comunicação e publicidade, definição de plano de negócios, estratégias de captação de recursos, recursos humanos, design e outros pontos-chaves de gestão de negócios. Também fizeram parte do projeto 7 tradutores brasileiros.

No Brasil, o Social Starters é dirigido pela britânica Jiselle Steele. “O nosso trabalho é o de promover a troca de experiências entre um grupo de voluntários, especialistas em suas áreas, e um grupo de empreendedores, que estão cheios de boas ideias, mas têm muitas dificuldades em desenvolver um negócio autossustentável”, explica. Jiselle sempre trabalhou com projetos sociais. Por 9 anos ela ocupou cargos em organizações sem fins lucrativos em Londres, para o desenvolvimento de iniciativas dentro do empreendedorismo social. No último emprego, que trabalhava o legado das Olimpíadas de Londres em comunidades carentes, veio ao Brasil atrás de parcerias, visto que o país sediará os jogos em 2016.

No Rio de Janeiro, conheceu as fundadoras do Social Starters e resolveu ficar de vez na cidade para estruturar o projeto no Brasil. O projeto tem parceiros nacionais, como o Instituto Eixo-Rio, da prefeitura do Rio de Janeiro, e a Secretaria da Cultura do Estado do Rio, mas a fonte de renda são os próprios voluntários. Os empreendedores recebem a consultoria de graça, por um período de cinco semanas. “Eles chegam até nós por meio dos nossos parceiros. São pessoas que gerenciam negócios em diferentes estágios de desenvolvimento. Alguns até já auferem lucro, mas não conseguem receita suficiente para expandir as operações, para contratar funcionários, para garantir um fluxo financeiro saudável”, afirma Jiselle. O projeto não culmina em aporte de dinheiro, mas contribui para dar um impulso aos negócios.

Roberto, da Livreteria, participou da primeira edição do Social Starters, em junho, e faz parte também da segunda rodada, que começou em novembro. “Da primeira vez foi muito valioso para a minha empresa, pois aprendi como levar o projeto a mais pessoas e como captar recursos por meio de editais de cultura. Nesta segunda etapa, quero conseguir me formalizar e, com um CNPJ, conseguir parcerias com empresas ou até buscar recursos com investidores. Para isso, a empresa precisa estar mais profissionalizada”, conta o empreendedor.

A segunda edição conta com a participação de 7 voluntários estrangeiros e 2 tradutores brasileiros. O Social Starters está apoiando 5 empreendedores desta vez.”A estrutura mais enxuta vem do aprendizado da primeira edição. Percebemos que, para atender melhor os participantes do programa, precisamos de um trabalho mais individualizado com eles, mais customizado a cada necessidade”, explica Jiselle.

Além da Livreteria, o Social Starters está “incubando” outros quatro empreendimentos, a ONG Urece, que trabalha com atletas com deficiência visual, visando aos Jogos Paralímpicos; a ONG Rio Vida, que promove treinamento para empreendedores das favelas carioocas; a loja Maria Chantal, especializada em roupas que refletem a cultura africana no Brasil; e a loja de roupas Snipper, voltada para o “empoderamento” do jovem negro brasileiro. “Nossos empreendedores identificaram um problema na comunidade onde atuam e já desenvolveram uma solução, mas não têm acesso às ferramentas necessárias para manter um negócio em pé. Acredito que o maior benefício do Social Starters é mostrar para esse empreendedor que ele não está sozinho e que ele é capaz de trilhar o seu caminho com as próprias pernas”, conclui Jiselle.

Fonte: ElPaís 

nov 25, 2015
admin

Vandré: o homem que disse não é um dos finalistas do prêmio da APCA 2015

A emocionante biografia não autorizada Vandré: o homem que disse não, do jornalista e escritor mineiro Jorge Fernando dos Santos, foi selecionada entre as melhores do ano pela APCA (Associação paulista de Críticos de Artes), na categoria Biografia/Memórias. O livro foi lançado pela Geração Editorial em setembro deste ano e traz uma extensa pesquisa (entrevistas e material impresso) a respeito de um dos personagens mais polêmicos e intrigantes da música popular brasileira. O paraibano Geraldo Vandré surgiu como um fenômeno na Era dos Festivais, nos anos de 1960, ao compor e cantar o hino da luta contra a Ditadura Militar, a clássica Para não dizer que não falei das flores, mais conhecida como Caminhando. O cantor decidiu abandonar a carreira e desapareceu do mapa após um acordo feito na época entre seus pais e o Exército Brasileiro.

O livro faz uma reconstituição da vida, obra e época de Vandré, além de revelar informações inéditas sobre tortura, exílio e trajetória deste artista que se tornou um ícone da canção brasileira.

O tradicional prêmio da APCA é dividido nas seguintes categorias: Romance, Poesia, Biografia/Memórias, Ensaio/Teoria e Crítica Literária/Reportagem, Contos e Crônicas, Infanto-Juvenil, Tradução e Grande Prêmio da Crítica. A seleção das obras foi realizada pelos seguintes jurados: Amilton Pinheiro, Angelo Mendes Corrêa, Felipe Franco Munhoz, Gabriel Kwak e Ubiratan Brasil.

Mais informações sobre a obra (aqui)

 

RELAÇÃO DOS FINALISTAS DA APCA 2015

 Categoria: Biografia/Memória

– Alda Garrido – as mil faces de uma atriz popular brasileira, Marta Garrido (Editora Perspectiva)

Elis Regina – Nada será como antes, Júlio Maria (Master Books)

– Vandré: o homem que disse não, Jorge Fernando dos Santos (Geração Editorial)

– Júlio Mesquita e Seu Tempo – Volumes I, II, III e IV, Jorge Caldeira (Mameluco)

nov 11, 2015
admin

Livro “Operação Banqueiro” é tema de palestra em Conferência Latino-americana de Jornalismo de Investigação

opera

O livro “Operação Banqueiro” (Geração Editorial, 2014) foi escolhido pela comissão organizadora da COLPIN-2015 (Conferência Latino-Americano de Jornalismo de Investigação), o mais importante evento sobre jornalismo investigativo da América Latina para ser tema de palestra no evento que neste ano ocorrerá em Lima, no Peru, de 20 a 23 de novembro. O autor do livro, Rubens Valente, repórter da Folha de S. Paulo em Brasília, falará no dia 21/11 sobre o processo de produção da obra, que esteve cinco semanas em listas dos mais vendidos no Brasil no ano passado e já vendeu 25 mil exemplares.

O livro brasileiro será tema de debate ao lado de outros dois livros-reportagens produzidos na América Latina em 2014: “Born – 40 anos depois, todos os segredos do sequestro mais caro da história”, da argentina María O’Donnell, e “Metade monges, metade soldados – Pederastia, abusos e manipulação psicológica dentro do Sodalício da Vida Cristã”, do peruano Pedro Salinas.

A conferência é promovida pelo Ipys (Instituto Prensa y Sociedad) e pela Transparência Internacional e ocorre em paralelo à entrega do Prêmio Latino-Americano de Jornalismo de Investigação, concedido desde o ano 2000 pelo Ipys, entidade liderada pelo jornalista peruano Ricardo Uceda, autor de “Muerte en Pentagonito” (2005) e vencedor do prêmio Maria Moors Cabot da Universidade Columbia. Uceda foi escolhido em 2000 pelo International Press Institute como um dos 50 “Heróis da liberdade de imprensa” no mundo.

Outros brasileiros participarão do evento neste ano no Peru. A procuradora da República do Paraná Laura Gonçalves Tessler falará sobre a Operação Lava Jato. Haverá palestras dos jornalistas Mauri Konig, que com equipe de “Gazeta do Povo” venceu neste ano o prêmio da Rede Mundial de Jornalismo Investigativo, Rodrigo Hidalgo (TV Bandeirantes), Andreza Matais (“O Estado de S. Paulo”), Guilherme Amado (coluna de Lauro Jardim), José Luis Costa (“Zero Hora”), Giuliana Girardi (“TV Globo”) e Vinicius Sassine (“O Globo”). Rubens Valente voltará a falar no dia 23 sobre o tema “A imprensa brasileira e o caso Lava Jato”.

 

Páginas:«12345678910...88»

CADASTRE-SE EM NOSSA NEWSLETTER


NOSSOS CONTATOS

Geração Editorial
Rua João Pereira, 81
Lapa - São Paulo – SP
05074-070
Telefone: +55 (11) 3256-4444
geracaoeditorial@geracaoeditorial.com.br