ADHEMAR
A fantástica história de um político populista desbocado, amado e odiado, inspirador do infame lema “rouba, mas faz”, que participou do golpe militar de 1964, foi posto de lado pelos generais e morreu exilado em Paris, depois de marcar sua época e história do Brasil.

DEUSES DO OLIMPO
Explore o universo mágico da Grécia Antiga e conheça as histórias dos personagens mais famosos da mitologia. Um livro para gente pequena e gente grande tambécm! ( + )

OS VENCEDORES
Quem ganhou, perdeu. Quem perdeu, ganhou. Cinquenta anos após o advento da ditadura de 1964, é assim que se resume a ópera daqueles anos de chumbo, sangue e lágrimas. Por ironia, os vitoriosos de ontem habitam os subúrbios da História, enquanto os derrotados de então são os vencedores de agora. ( + )

A VILA QUE DESCOBRIU O BRASIL
Um convite a conhecer mais de quatro séculos de história de Santana de Parnaíba, um município que tem muito mais a mostrar ao país. Dos personagens folclóricos, tapetes de Corpus Christi, das igrejas e mosteiros, da encenação ao ar livre da “Paixão de Cristo”. Permita que Ricardo Viveiros te conduza ao berço da nossa brasilidade. ( + )

O BRASIL PRIVATIZADO
Aloysio Biondi, um dos mais importantes jornalistas de economia que o país já teve, procurou e descobriu as muitas caixas-pretas das privatizações. E, para nosso espanto e horror, abriu uma a uma, escancarando o tamanho do esbulho que a nação sofreu. ( + )

CENTELHA
Em “Centelha”, continuação da série “Em busca de um novo mundo”, Seth vai precisar ter muita coragem não só para escapar da prisão, mas para investigar e descobrir quem é esse novo inimigo que deixa um rastro de sangue por onde passa. A saga nas estrelas continua, com muita ação de tirar o folego! ( + )

MALUCA POR VOCÊ
Famosa na cidade pelos excessos do passado, Lily terá de resistir ao charme de um policial saradão oito anos mais jovem que acaba de chegar na cidade. Prepare-se para mais um romance apimentado e divertidíssimo escrito por Rachel Gibson.. ( + )

NOS IDOS DE MARÇO
A ditadura militar na voz de 18 autores brasileiros em antologia organizada por Luiz Ruffato. Um retrato precioso daqueles dias, que ainda lançam seus raios sombrios sobre os dias atuais. ( + )





Browsing articles in "Lançamentos"
jul 6, 2015
admin

Grande imprensa: Oportunismo e vocação para o golpe

Por Felipe Bianchi (texto e fotos)

Imprensa alternativa, censura, tortura… Foram muitos os temas abordados no debate sobre mídia, golpe e ditadura, realizado no Centro de Estudos da Mídia Alternativa Barão de Itararé, em São Paulo, na sexta-feira (3). O depoimento comovente de Hildegard Angel, porém, roubou a cena. Filha de Zuzu Angel e irmã de Stuart Angel, ambos assassinados pelos militares nos anos de chumbo, ela se emocionou e foi aplaudida de pé ao relatar sua experiência e criticar, de forma veemente, a imprensa brasileira.

fotohilde

“Essa é a história do oportunismo da imprensa brasileira”, disparou. “Do oportunismo dos intelectuais brasileiros, daqueles que se situam e formam suas panelinhas para manter seus cachês valorizados. Agora, não valoriza cachê ser de esquerda, o cachê fica baixo. Valoriza o cachê falar mal das causas sociais, dos progressos e das conquistas sociais”.

Hilde, como é chamada, traçou ainda um paralelo entre o momento presente e a década de 1950, quando Getúlio Vargas sofria implacável oposição por parte da imprensa e o jornal Última Hora, comandado pelo jornalista Samuel Weiner, constituía um verdadeiro oásis de simpatia ao governo. “O que ilustra bem os momentos ditatoriais, de como deformam e revelam as pessoas, é que uma das mágoas de Weiner foi a rejeição e maus tratos que sofreu por parte de companheiros de profissão”, conta. “Me disse ele que quando foi se exilar em uma embaixada, o jornalista Ibrahim Sued escrevia o condenando ao paredão. E ele questionava: ‘Como você, grande amigo meu, querido e recebido em casa, tão elogioso a mim, fez tanta pressão pela minha prisão e execução?’. E a resposta de Ibrahim foi que ‘balão quando tá caindo, a gente tasca’. É assim que eu sinto, hoje, o governo de Dilma Rousseff”.

Sobre a crescente onda conversadora que assola o Brasil, Hilde demonstrou preocupação. “O Judiciário atropela a Justiça, o Legislativo atropela o regimento… Estamos em uma catacumba”, definiu. “Acho que estamos sendo ingênuos, pois o que se passa é um verdadeiro Estado de exceção. O presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha, não ceder a palavra a um opositor por discordar do que ele irá dizer é um ato ditatorial”, opinou, acrescentando que “algo muito estranho acontece no país”.

Sequestro à democracia ontem e hoje

A atividade marcou também o lançamento de dois livros: Golpe de Estado (Geração Editorial), de Palmério Dória e Mylton Severiano, e Lamarca – O Capitão da Guerrilha (Global Editora), de Emiliano José. Palmério Dória, um dos debatedores da noite, fez uma retrospectiva de sua trajetória na imprensa alternativa escancarando como os corajosos repórteres driblavam a censura e enfrentavam a mordaça imposta à botas, fuzis e capacetes. “Tínhamos um princípio inabalável, que era o de nunca nos sujeitarmos à censura. O livro Golpe de Estado é isso aí, continuar contando essa história para entendermos como tudo o que ocorreu em 1964 desemboca nisso que estamos vivendo hoje”, declarou. “Fica fácil entender a existência, por exemplo, de um Eduardo Cunha”.

Segundo ele, há uma ideia fundamental que abre esse ‘vácuo’ onde nascem golpistas em potencial: “nos sequestraram a consciência democrática”. Crítico à inércia dos governos Lula e Dilma Rousseff em relação à regulação e democratização da mídia, Dória acredita que a célebre frase de Millör Fernandes – “Jornalismo é oposição, o resto é armazém de secos e molhados” – perdeu o sentido. “Existe um golpe em marcha, com a complacência dos meios de comunicação, e não podemos ser apanhados no contrapé, como fomos outrora. A única saída é ir pra rua”.

Apesar do diagnóstico alarmante, o icônico repórter declarou enxergar, nas mídias alternativas, uma forma de combate à ignorância e ao senso comum apregoado pela grande imprensa. “Há algumas iniciativas muito boas, como os Jornalistas Livres. A rapazeada está mandando brasa, mesmo com o governo imóvel”, disse. “Informação fundamental, hoje, tiro dessas mídias na Internet. A imprensa alternativa vai bem, obrigado. Mas mudou de plataforma”.

Mídia e a ‘vocação golpista’

Celebrando o lançamento da 17ª edição de sua obra sobre um dos principais líderes da oposição armada à ditadura militar, Emiliano José destacou que houve, sim, terrorismo no Brasil, mas de direita, e não de esquerda. “A ditadura prendeu, desapareceu com pessoas, matou, torturou velhos e crianças. Fez tudo isso e nós vemos, lamentavelmente, gente com estômago para pedir a sua volta”.

Para o Secretário de Serviços de Comunicação Eletrônica do Ministério das Comunicações, que passou quatro anos de sua vida encarcerado pelos militares, é imprescindível cultivar a memória do papel da imprensa à época para entender e refletir sobre a sua atuação nos dias de hoje. “A Folha de S. Paulo, por exemplo, foi cúmplice direta da ditadura. Foi a sucursal do DOI-CODI”, acusou. “Falava-se que a Folha da Tarde era o ‘jornal de maior tiragem’, de tantos tiras que frequentavam a redação”.

Apesar de não entrar nos meandros do tema, ele utilizou a cobertura tendenciosa sobre a Operação Lava-Jato como exemplo do servilismo da imprensa a interesses escusos. “Só sai na mídia o que criminaliza o PT, o governo e Lula. Nada mais”, protestou. “Valores, pessoas e tudo o que está envolvido, em sua grande maioria, não é petista, mas não importa que Aécio Neves (PSDB) tenha recebido mais que todos. Ele está blindado”.

A mídia tem verdadeira ‘vocação golpista’, segundo Emiliano José. “É a vanguarda do golpe na história brasileira”, decretou. “Quem conduziu toda a operação que culmina no golpe de 1964 foi a mídia. Historicamente, é ela quem prepara golpes. 1954, por exemplo. O golpe pronto contra Getúlio Vargas foi adiado em 10 anos pelo ‘descortino histórico’ do então presidente, que se suicida com a mais absoluta certeza de estar suspendendo um golpe. Última Hora, de fato, era o único jornal simpático ao governo e ao trabalhador. O resto era a mesma coisa de hoje”

Para se fazer jornalismo investigativo, praticamente nulo no país, não depende só de financiamento, conforme argumenta, “mas de disposição para fazê-lo”. Hoje, avalia, só existe a fonte que entrega seletivamente aquilo que lhe interessa.

Fonte: Barão de Itararé

jul 1, 2015
admin

Mídia, GOLPE E DITADURA: ONTEM E HOJE

Na sexta-feira (3), a partir das 19h, o Centro de Estudos da Mídia Alternativa Barão de Itararé reúne um time de peso para debater Mídia, golpe e ditadura: ontem e hoje: Emiliano José (Secretário de Serviços de Comunicação Eletrônica do Ministério das Comunicações) e os jornalistas e escritores Palmério Dória, Hildegard Angel e Fernando Morais discutirão o papel da mídia desde a queda de João Goulart e os anos de chumbo até a oposição sistemática dos meios de comunicação ao processo de transformação que o país atravessa nos últimos anos.

Além do bate-papo, acontecerá uma ‘cachaçada’ para celebrar o lançamento dos livros Golpe de Estado  (Geração Editorial), escrito por Palmério Dória e Mylton Severiano, e Lamarca – O capitão da guerrilha (Global Ed.), de Emiliano José.

Debate 03.07.15

SERVIÇO

Data: 3/7/2015
Horário: 19h
Local: Rua Rego Freitas, 454, conjunto 83 – Próximo à estação República do Metrô
Mais informações: contato@baraodeitarare.org.br / 11 3159-1585

*A entrada é franca. Para participar, basta inscrever-se através do formulário aqui.

Fonte: Barão de Itararé

jun 11, 2015
admin

Debate e lançamento do Livro Cova 312 em São Paulo no dia 18/06

O lançamento do livro Cova 312, de Daniela Arbex, em São Paulo,  será no dia 18 de junho na Livraria Cultura do Conjunto Nacional, com debate entre personalidades que lutaram de alguma forma contra a ditadura militar. Na sequência haverá a sessão de autógrafos.

Os convidados para a mesa de debate, que será realizada das 15h30 até 17h, são  o ex-deputado Adriano Diogo e a militante Amelinha Teles, e contará com mediação da jornalista Laura Capriglione.

A autora foi vencedora do Prêmio Jabuti de melhor Livro-Reportagem de 2014 com seu livro Holocausto brasileiro, que já teve mais de 100 mil cópias vendidas.

Menos de dois anos depois de seu surpreendente best-seller de estreia, Holocausto  brasileiro, Daniela Arbex volta com mais um livro corajoso e revelador. Escrito como um romance, nele se conta a história real de como as Forças Armadas mataram pela tortura um jovem militante político, forjaram seu suicídio e sumiram com seu corpo. Daniela Arbex reconstitui o calvário deste jovem, de seus companheiros e de sua família até sua morte e desaparecimento. E continua investigando até descobrir seu corpo, na anônima Cova 312 que dá título ao livro. No final, uma revelação bombástica muda um capítulo da história do Brasil. Uma história apaixonante, cheia de mistério, poesia, tragédia e sofrimento.

Sobre os participantes do debate

Daniela Arbex é autora do best-seller Holocausto brasileiro, eleito o Melhor Livro-Reportagem do Ano pela Associação Paulista de Críticos de Arte (2013) e segundo melhor Livro-Reportagem no prêmio Jabuti (2014). Publicado no Brasil e em Portugal, a obra ganhará as telas da TV em 2016, no documentário produzido com exclusividade para a HBO, com exibição prevista em mais de vinte países. Daniela tem mais de vinte prêmios nacionais e internacionais no currículo, entre eles três prêmios Esso, o americano Knight International Journalism Award (2010) e o prêmio IPYS de Melhor Investigação Jornalística da América Latina (2009). Há vinte anos trabalha no jornal Tribuna de Minas, onde é repórter especial.

Amelinha Teles é  protagonista de uma história de vida de muita dor e luta. Teve sua trajetória profundamente marcada pelo período mais duro da história do nosso país, e fez dessa experiência sua militância até os dias de hoje.

Nascida na cidade de Contagem, Minas Gerais, no ano de 1944, seu pai, sindicalista e membro do Partido Comunista (PC), influenciou-a muito, e, ainda no colégio, começou a militar no movimento estudantil. Ex-presa política foi torturada nos porões da ditadura, e, desde então, nunca deixou de lutar para que essa página não seja arrancada de nossa história, e que os torturadores sejam identificados e punidos.

Sua luta, de sua família e amigos, rendeu uma vitória histórica para o nosso país. A família Teles entrou, em 2008, com uma ação contra o coronel reformado Carlos Alberto Brilhante Ustra, e conseguiu que, pela primeira vez na história brasileira, um militar fosse considerado torturador perante a Justiça.

Adriano Diogo é geólogo formado pela Universidade de São Paulo. Desempenhou papel importante no movimento estudantil paulista durante a ditadura militar na década de 1970. Foi eleito quatro vezes vereador da cidade de São Paulo e, em cada legislatura, deixou as marcas de seu trabalho. Assumiu a Secretaria Municipal do Verde e do Meio Ambiente em 2003. Exerceu seu terceiro mandato de Deputado Estadual na Assembleia Legislativa. Participou ativamente da Comissão da Verdade de São Paulo.

Laura Capriglione é jornalista. Nasceu em São Paulo e cursou Física e Ciências Sociais na Universidade de São Paulo. Trabalhou como repórter especial do jornal Folha de S.Paulo entre 2004 e 2013. Dirigiu o Notícias Populares (SP), foi diretora de novos projetos na Editora Abril e trabalhou na revista Veja. Conquistou o Prêmio Esso de Reportagem 1994, com a matéria “Mulher, a grande mudança no Brasil”, em parceria com Dorrit Harazim e Laura Greenhalgh. Foi editora-executiva da revista até 2000. Atualmente está a frente do coletivo Jornalistas Livres.

Debate Cova 312

Horário: das 15h30 às 17h

Local: Mezanino da Livraria Cultura – Conjunto Nacional – Avenida Paulista, 2.073 – São Paulo – SP

Sessão de autógrafos Cova 312

Horário: das 18h às 22h

Local: Piso Teatro da Livraria Cultura

Convite_SP_Cova312 

 

Páginas:«123456789...55»

CADASTRE-SE EM NOSSA NEWSLETTER


NOSSOS CONTATOS

Geração Editorial
Rua João Pereira, 81
Lapa - São Paulo – SP
05074-070
Telefone: +55 (11) 3256-4444
geracaoeditorial@geracaoeditorial.com.br