ADHEMAR
A fantástica história de um político populista desbocado, amado e odiado, inspirador do infame lema “rouba, mas faz”, que participou do golpe militar de 1964, foi posto de lado pelos generais e morreu exilado em Paris, depois de marcar sua época e história do Brasil.

DEUSES DO OLIMPO
Explore o universo mágico da Grécia Antiga e conheça as histórias dos personagens mais famosos da mitologia. Um livro para gente pequena e gente grande tambécm! ( + )

OS VENCEDORES
Quem ganhou, perdeu. Quem perdeu, ganhou. Cinquenta anos após o advento da ditadura de 1964, é assim que se resume a ópera daqueles anos de chumbo, sangue e lágrimas. Por ironia, os vitoriosos de ontem habitam os subúrbios da História, enquanto os derrotados de então são os vencedores de agora. ( + )

A VILA QUE DESCOBRIU O BRASIL
Um convite a conhecer mais de quatro séculos de história de Santana de Parnaíba, um município que tem muito mais a mostrar ao país. Dos personagens folclóricos, tapetes de Corpus Christi, das igrejas e mosteiros, da encenação ao ar livre da “Paixão de Cristo”. Permita que Ricardo Viveiros te conduza ao berço da nossa brasilidade. ( + )

O BRASIL PRIVATIZADO
Aloysio Biondi, um dos mais importantes jornalistas de economia que o país já teve, procurou e descobriu as muitas caixas-pretas das privatizações. E, para nosso espanto e horror, abriu uma a uma, escancarando o tamanho do esbulho que a nação sofreu. ( + )

CENTELHA
Em “Centelha”, continuação da série “Em busca de um novo mundo”, Seth vai precisar ter muita coragem não só para escapar da prisão, mas para investigar e descobrir quem é esse novo inimigo que deixa um rastro de sangue por onde passa. A saga nas estrelas continua, com muita ação de tirar o folego! ( + )

MALUCA POR VOCÊ
Famosa na cidade pelos excessos do passado, Lily terá de resistir ao charme de um policial saradão oito anos mais jovem que acaba de chegar na cidade. Prepare-se para mais um romance apimentado e divertidíssimo escrito por Rachel Gibson.. ( + )

NOS IDOS DE MARÇO
A ditadura militar na voz de 18 autores brasileiros em antologia organizada por Luiz Ruffato. Um retrato precioso daqueles dias, que ainda lançam seus raios sombrios sobre os dias atuais. ( + )





Browsing articles in "Autores"
maio 14, 2014
admin

Lançamento do livro “Operação Banqueiro” em Porto Alegre

Nesta sexta-feira, 16/05, a partir das 19h, acontece o bate-papo e lançamento do livro “Operação Banqueiro” na livraria Palavraria em Porto Alegre.

operacao_banqueiro

Uma trama brasileira sobre poder, chantagem, crime e corrupção

A incrível história de como o banqueiro Daniel Dantas escapou da prisão com apoio do Supremo Tribunal Federal e virou o jogo, passando de acusado a acusador

Um acontecimento inusitado assombrou o Brasil em 2008: o poderoso e enigmático banqueiro Daniel Dantas foi preso pelo delegado federal Protógenes Queiroz, por ordem do juiz Fausto De Sanctis, e conduzido algemado para uma cela comum, acusado de vários crimes. Mas logo depois foi libertado, por ordem do então presidente do Supremo Tribunal Federal — STF, Gilmar Mendes. As provas da investigação foram anuladas. O delegado foi afastado de seu trabalho e elegeu-se deputado. O juiz deixou sua vara e assumiu o cargo de desembargador no Tribunal Regional Federal, mas em área sem relação com crimes financeiros, sua especialidade. O que teria acontecido? Neste livro, que se lê como um thriller policial, o repórter investigativo Rubens Valente, da Folha de S. Paulo, desvenda toda a história, com a revelação de aspectos inéditos, documentos e segredos.

Serviço:
Livraria Palavraria
Rua Vasco da Gama, 154
Bom Fim – Porto Alegre – RS

___________________

Mais cedo, às 14h30, Rubens Valente, autor do livro, participa do Seminário “Transparência, Justiça e Eficiência”, promovido pelo Tribunal de Contas do Estado do Rio Grande do Sul, com palestra sobre o tema “A negação da transparência e da justiça: a Operação Satiagraha”, ao lado dos debatedores Luís Antônio Araújo (Zero Hora), Taline Oppitz (Correio do Povo) e Guilherme Kolling (Jornal do Comércio).

 10314735_297402370435290_961001268742164752_n

maio 13, 2014
admin

“Holocausto brasileiro” é agraciado pelo Prêmio “CARRANO” de Luta Antimanicomial e Direitos Humanos

VI Premio Carrano - Imagem - Marcelo Max 768x1024

Daniela Arbex, autora do livro “Holocausto brasileiro”, conquista o Prêmio Carrano Luta Antimanicomial e Direitos Humanos.

A entrega do VI Prêmio Carrano de Luta Antimanicomial e Direitos Humanos será realizada no dia 14 de maio, quarta-feira, a partir das 19h, no auditório da Biblioteca Publica Alceu Amoroso Lima, em Pinheiros – SP. O evento integra a semana do Dia Nacional da Luta Antimanicomial (18/05). Além dos homenageados que receberão o Prêmio, contaremos com a participação de artistas, músicos e convidados a apresentação fica por conta do palhaço e músico Clerouak. Mais informações abaixo.

Os convidados para receber o prêmio este ano de 2014 são:

  1. Adriano Diogo
  2. Antônio Lancetti
  3. Ariel de Castro Alves
  4. Centro Santo Dias de Direitos Humanos
  5. Claudia Valéria Ribeiro
  6. Daniela Arbex
  7. Instituto Vladimir Herzog
  8. José Ibrahim
  9. Marilia Caponi
  10. Operação “Braços Abertos”

Daniela Arbex – é uma das jornalistas do Brasil mais premiadas de sua geração. Repórter especial do jornal Tribuna de Minas há 18 anos, tem no currículo mais de 20 prêmios nacionais e internacionais, por suas matérias sobre Direitos Humanos, entre eles três prêmios Esso, o mais recente recebido em 2012 com a série “Holocausto brasileiro”, dois prêmios Vladimir Herzog (menção honrosa), o Knight International Journalism Award, entregue nos Estados Unidos (2010), e o prêmio IPYS de Melhor Investigação Jornalística da América Latina e Caribe (Transparência Internacional e Instituto Prensa y Sociedad), recebido por ela em 2009, quando foi a vencedora, e 2012 (menção honrosa). Em 2002, ela foi premiada na Europa com o Natali Prize (menção honrosa). Daniela é autora do livro-reportagem “Holocausto brasileiro”, lançado em 2013. O livro revela uma das tragédias brasileiras mais silenciosas: a morte de 60 mil pessoas dentro do maior hospício do país, o Hospital Colônia de Barbacena (MG). Trecho da resenha da obra, escrita pelo geógrafo e educador Guilherme Fioravante: “Holocausto brasileiro dá voz a um grito que, no Brasil, só faz-se calar. Analisa o sistema manicomial como o fazem Estação “Carandiru” e “Carcereiros”, de Dráuzio Varela, em relação ao sistema prisional, e “Rota 66″, de Caco Barcellos, à violência policial. Unem-se a tantos outros títulos que desvelam episódios trágicos de nossa história, produtos de um estado de confusão e violência, cujos ruídos se abafam em meio ao volume de nossas ocupações cotidianas.”.

Saiba mais sobre o livro: http://geracaoeditorial.com.br/blog/holocausto-brasileiro.

abr 26, 2014
admin

D. Pedro II, o filho do Demonão

Neste artigo, o historiador e escritor Paulo Rezzutti faz uma interessante análise da vida amorosa dos nossos dois imperadores, demonstrando que pai e filho tinham mais em comum do que muita gente pensa. E ainda aproveita para fazer uma provocação a Luiz Felipe Pondé, que recentemente causou polêmica ao afirmar em sua coluna na Folha de S. Paulo que o problema da direita é “não pegar mulher”. Confira.

D. Pedro II, o sempre lembrado velho que era filho do novo, foi criado em uma corte sem qualquer brilho após a abdicação de seu pai, D. Pedro I, em 7 de abril de 1831. Com o dinheiro, quadros, pratarias, tapetes e móveis, o primeiro imperador retornava para a Europa após 23 anos de vida no Brasil. Junto, partia o restante da nobreza portuguesa, damas de companhias e camareiros que haviam continuado no Brasil após o retorno da corte para Portugal em 1821 e tinham permanecido fiéis a Pedro I. Não que essa nobreza portuguesa fosse o símbolo máximo de luxo e requinte, pelo contrário! A ignorância desses nobres deixou tanto a imperatriz d. Leopoldina, mãe de d. Pedro II, e sua amiga e confidente, a inglesa Maria Graham, escandalizadas.

Mas a corte que Pedro II e suas irmãs, D. Francisca, D. Paula e D. Januária, herdavam era uma corte pobre, segundo testemunho de um de seus primos europeus que os visitaram: “A mais miserável do universo”. A política de austeridade quase franciscana implementada na corte na época das Regências a esvaziou. Essa austeridade também foi a grande marca da criação do futuro imperador. Seus tutores cuidariam para que sua educação fosse esmerada, que d. Pedro II, diferente do pai, fosse uma pessoa regrada, controlada e ilustrada.

Até 1834, quando D. Pedro I morreu tuberculoso em Portugal – na mesma sala do Palácio de Queluz em que nascera em 12 de outubro de 1798 -, várias alas da política brasileira tinham verdadeiro pavor de que o ex-imperador retornasse ao Brasil e assumisse a regência do filho. Logo, uma campanha de desmoralização pública teve início assim que o navio que o levava ao exílio deixou de ser visto no horizonte.

As críticas ao ex-monarca tornaram-se públicas, afinal, a constituição que protegia a figura do imperador não dizia nada a respeito de ex-imperantes. Assim, expressões sutis e satíricas que apareceram nos jornais ao longo do Primeiro Reinado, como “o nosso caro Imperador”, em que caro não era para ser lido como caríssimo ou querido, e sim como excessivamente dispendioso, foram trocadas na época das Regências para “assassino da esposa”, “amante dissoluto”, “devasso corrupto”, entre outras.

A nódoa moral de seu reinado, seu caso de sete anos com a Marquesa de Santos, foi relembrada às escâncaras nessas folhas, e logo a sua ex-amante, a paulista Domitila de Castro do Canto e Melo, foi elevada a símbolo máximo da corrupção e devassidão do Primeiro Reinado nos jornais da época, sobretudo no periódico Sete de Abril. Não foi por mero acaso que, em 1833, Domitila acabou se amancebando com o “reizinho de São Paulo”, o rico e influente político Tobias de Aguiar, primeiro paulista a ser presidente da Província de São Paulo e amigo íntimo, de infância, do regente do Império, o padre Diogo Antônio Feijó. Domitila sempre foi uma sobrevivente.

E, para que o Império e o futuro imperador D. Pedro II também pudessem sobreviver, a educação moral dele foi rígida. Desde o princípio ele sabia o quanto o romance escancarado de seu pai com a fogosa paulista jogara lenha na fogueira moral ateada pelos inimigos de D. Pedro I e, assim, a discrição amorosa do nosso segundo imperador se fez. Não que ele não tenha tido seus tórridos casos de amor. O mais famoso caso de D. Pedro II foi com a condessa de Barral, Maria Margarida de Barros Portugal, rica dona de engenho, casada com um nobre francês, que foi preceptora das princesas imperiais, Leopoldina e Isabel. Esse foi o mais longo e duradouro, cerca de 34 anos de ânsias e suspiros apaixonados, em que d. Pedro II lembrava com carinho das “noites atenienses” ou de quartinhos de hotéis em Petrópolis. Mas essa paixão era mais intelectual. Nada, ao menos da correspondência amorosa que sobreviveu entre ele e a condessa, lembra o fulgor do pai, que tratava com paixão a Marquesa de Santos ora com versinhos mal construídos, ora com palavras das mais vulgares, chegando a enviar pelos pubianos à amante e sentir saudades de “ir aos cofres” dela.

Existe na historiografia brasileira a lenda de que o historiador Tobias Monteiro teria encontrado cartas picantes envolvendo D. Pedro II que estavam depositadas na Biblioteca Nacional. Um arranjo na numeração e pronto, elas ficaram desaparecidas por muito tempo no arquivo, afinal, não pegava bem para a imagem do ex-imperador ter sua vida amorosa exposta de maneira indecorosa, como aconteceu com seu pai. Quem conhece um pouco sobre organização de bibliotecas e arquivos sabe muito bem que uma pasta, caixa ou livro posto em outro lugar que não o seu é uma atrocidade, pois se perde a localização da peça no acervo e as formas de se desarquivar a informação. Pois bem, vira e mexe esse acervo de cartas de D. Pedro II é “redescoberto”, recentemente foi até mesmo fichado novamente. Assim, o acervo mostra um imperador menos morno que suas sábias barbas brancas nos retratos fazem supor. Ele também teve seu lado “Demonão”, como o pai, que assinava assim as missivas à marquesa de Santos no auge da paixão.

Se as cartas da Barral para D. Pedro II são mornas, na maioria das vezes, o mesmo não aconteceu com o fogo que ele causou na baronesa da Boa Vista que suspira nas missivas lembrando que “cada uma de tuas expressões tão apaixonadas me fazem estremecer de amor” e declarações do tipo: “Eu te amo e sou tua de toda a minha alma. Eu te abraço tão ardentemente como tu desejas”. E, a pedido do imperador, lhe envia uma foto com vestido decotado. Aliás, hábito esse que parece ser uma constante no quase sexagenário amante, que também pede para a condessa de Villeneuve uma foto, sobre a qual se debruça a escrever-lhe, confessando que, diante da imagem, fantasiou uma forte cena erótica em que os dois corpos se entrelaçavam no sofá da casa dela, desfalecendo-se de prazeres.

Uma testemunha da época do Segundo Reinado, o diplomata espanhol Juan Valera, confidenciava a um amigo seu na Espanha que “a imperatriz do Brasil (D. Teresa Cristina) é tão virtuosa quanto feia e D. Pedro II lhe é infiel de vez em quando. O teatro de suas infidelidades é a biblioteca do palácio; o que acontece é que as damas se instruem…”. Outra característica que d. Pedro II herdou do pai foi a sovinice: se esbanjava com esmolas e bolsas de estudo, era miserável com as amantes. Valera chega a comentar que não foram poucos os homens que acabaram falindo para manter as esposas frequentadoras assíduas da corte e da “biblioteca” do imperador.

Pois é, Luiz Felipe Pondé, para alguém que hoje seria considerado de “direita”, o velho Pedro II tinha lá a sua lábia e esbanjava cultura até para pegar mulher. E a direita de hoje nada?

Monarquistas, republicanos, velhos, novos, ricos, pobres, todos fazem e fizeram sexo. Nossos avós, bisavós, tataravós eram bem menos castos que suas expressões sisudas nos retratos nos fazem supor. E assim é a vida, cheia de idiossincrasias, paixões, sexo e todos os elementos necessários para construir, sem que essa construção na realidade seja linear e cerebral o tempo todo. Afinal, todos precisamos de uma pequena dose de loucura e aventura em algum momento para que não sucumbamos como uma massa coesa, uniforme e submissa ao destino final que nos aguarda a todos. E a moral? Deixemo-na para os moralistas, não para os historiadores.

Paulo Rezzutti é historiador e escritor. Membro titular do Instituto Histórico e Geográfico de São Paulo, colaborador da revista Aventuras da História da Ed. Abril e de diversos blogs sobre história. Em 2010 descobriu 94 cartas inéditas de D. Pedro I à sua amante, a Marquesa de Santos. Em 2012 participou, como consultor, do trabalho de exumação dos primeiros imperadores brasileiros sepultados na cripta do Monumento à Independência, em São Paulo.

d.pedrosegimperador
O D. Pedro II e seu pai: a figura austera escondia uma vida amorosa movimentada.

Fonte: História Hoje

CADASTRE-SE EM NOSSA NEWSLETTER


NOSSOS CONTATOS

Geração Editorial
Rua João Pereira, 81
Lapa - São Paulo – SP
05074-070
Telefone: +55 (11) 3256-4444
geracaoeditorial@geracaoeditorial.com.br